Christian Charisius/Reuters
Christian Charisius/Reuters

Mais 4 mulheres denunciam diretor alemão Dieter Wedel por assédio

Cineasta de 75 anos, que renunciou na segunda-feira ao cargo de diretor-geral do Festival de Bad Hersfeld, negou as acusações e anunciou que vai aos tribunais.

EFE

25 Janeiro 2018 | 22h05

Quatro mulheres acusaram nesta quinta-feira de estupro, assédio e abusos sexuais o diretor alemão Dieter Wedel, de 75 anos, denúncias que se somam a outras divulgadas nos últimos dias e que ganharam os holofotes na Alemanha.

As mulheres, algumas com nome e sobrenome, explicam com detalhes seus casos (alguns de várias décadas atrás), bem como as consequências (incluido um aborto), na última edição da revista Zeit, divulgada hoje, enquanto o acusado preferiu não falar alegando motivos de saúde.

A atriz suíça Esther Gemsch relata como Wedel invadiu seu quarto de hotel em 1980 e a estuprou com tal violência que ela teve que abandonar a rodagem e foi substituída.

+++ Casey Affleck desiste de apresentar prêmio em cerimônia do Oscar

A intérprete alemã Ute Christensen descreve, além disso, como durante a gravação de um filme Wedel a acossou após ter rejeitado um convite para comparecer ao quarto do diretor.

Christensen, então grávida de dois meses, acabou tendo uma crise nervosa durante a rodagem e um sangramento que acabou levando à perda do bebê.

Outra atriz que preferiu não divulgar seu nome conta como em 1975 o diretor a levou em seu carro a um bosque e a estuprou.

"Rasgou minha roupa e se jogou em cima de mim. Em um momento pensei: a única forma de acabar isso é deixar de resistir. Então acaba rápido", relata a mulher, que agora tem 74 anos.

+++ 'Mulher Maravilha' será primeiro filme com código contra assédio

A revista alemã assegura que tem provas de todos os casos de assédio sexual que relata, seja por documentos ou testemunhas.

Nas últimas três semanas, várias mulheres denunciaram publicamente Wedel por estupro, assédio e abusos sexuais, acusações que ele negou e anunciou que vai aos tribunais.

Wedel renunciou na segunda-feira ao cargo de diretor-geral do Festival de Bad Hersfeld.

+++ Rachel Weisz diz que perda de poder de Weinstein rompeu a lei do silêncio

A Promotoria de Munique abriu uma investigação contra o diretor por conta desses casos recentemente denunciados.

O caso Wedel é o mais relevante na Alemanha por causa do movimento #MeToo de denúncia de agressões sexuais contra mulheres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.