Divulgação
Divulgação

Maior Scorsese, 'Touro Indomável' volta aos cinemas

Filme retrata a experiência rara de viajar na mente conturbada de um homem que pensa com os punhos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 10h37

Pense numa revisão de William Shakespeare. Otelo como seu Iago, sem necessidade do amigo (?) que lhe insufle no ouvido a dúvida sobre a fidelidade de Desdêmona. O filme é Touro Indomável/Raging Bull. Touro raivoso. O maior Martin Scorsese, que volta neste fim de semana (sábado, 25, e domingo, 26) nos clássicos restaurados da rede Cinemark, com direito a exibição suplementar na quarta que vem, 29. Scorsese já havia recebido a Palma de Ouro por Taxi Driver. Criara, com a complicidade de Robert De Niro, aquele momento antológico. Travis, o motorista de táxi, diante do espelho, repetindo a pergunta até torná-la ininteligivel - 'Are you talking to me/ 'talking to me? 'me?'

Scorsese e De Niro já haviam sido parceiros - em Caminhos Perigosos, Taxi Driver, New York New York. Continuariam sendo em O Rei da Comédia, Os Bons Companheiros, Cabo do Medo, Cassino. Mas algo se passou quando eles fizeram Touro Indomável e não foi por acaso que De Niro, tantas vezes indicado para o prêmio da Academia, finalmente ganhou seu Oscar pelo papel do pugilista Jake La Motta. O cara é o touro raivoso. Destroi os oponentes no ringue. Fora dele, destrói-se, consumido por um ciúme patológico. Não adianta a mulher jurar fidelidade. Jake, com aquele Iago dentro dele, acredita que ela o trai. E é a ruína de ambos.

De Niro adquiriu massa física para criar o personagem e, nas cenas finais, está irreconhecível, de tão gordo e com a cara arrebentada por anos de golpes certeiros. Tão difícil quanto a transformação física deve ter sido, para ele, o esforço para criar um (anti)herói que, no limite, não é nem um pouco simpático para o espectador. Tal como ele surge no roteiro de Paul Shrader, e na realização vigorosa de Scorsese, Jake chega a ser antipático. Um filme não precisa de vilão quando o mocinho faz de tudo para se (auto)destruir. No processo, destrói os outros ao redor - os que o amam. Só que o homem violento, o antipático, o raivoso, busca as compreensão e até a compaixão do espectador. Jake não luta mais, lá pelas tantas, por glória. Luta contra o que o consome, o que odeia. Luta pela graça.

Tanto Scorsese quanto Shrader são cinéfilos de carteirinha. Passaram-se 34 anos desde que fizeram Touro Indomável, em 1980. Já eram parceiros, e a colaboração artística terminou porque Shrader, que não trilhava mais o caminho de Scorsese, achou que seria melhor tentar preservar a amizade. O roteiro é forte, a direção, raivosa (como La Motta), a interpretação (de De Niro), antológica. Tudo isso é verdade, mas não se pode deixar de assinalar duas grandes virtudes de Touro Indomável. A montagem de Thelma Shoonmaker e a fotografia, em preto e branco, de Michael Chapman, ambas vencedoras do Oscar. Nenhum outro filme, e obras-primas foram feitas sobre pugilismo, colocaram a gente com essa intensidade dentro do ringue. A impressão é de que nós, o público, poderemos ser atingidos por aqueles socos. No final, é possível que você se pergunte - mas qual é mesmo o tema de Scorsese em Touro Indomável? A obsessão, a graça, a violência? Mesmo se não chegar a conclusão nenhuma, você estará chapado. Se Touro Indomável é mesmo o maior Scorsese, é por essa experiência rara que proporciona de viajar na mente enferma (conturbada?) de um homem que pensa com os punhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.