Madonna: cantora, atriz e agora também diretora de cinema

"Não será um trabalho único", garantiu a estrela ao falar de seu filme 'Filth & Wisdom', exibido na Berlinale

MIRJA S, REUTERS

08 Fevereiro 2013 | 15h30

Quando Madonna pediu a seu marido, Guy Ritchie, um conselho sobre a direção de um filme, ele lhe disse que o segredo era "irradiar confiança". Confiança é algo que nunca faltou à "rainha da reinvenção", e ela gostou tanto de sua estréia como diretora de cinema que já fala em fazer carreira em seu novo ofício. Seu filme Filth & Wisdom  (Imundície e Sabedoria) , que estreou na quarta-feira no Festival de Cinema de Berlim, é uma história ágil e descontraída cujos personagens principais refletem fases da vida da própria popstar de 49 anos. Veja também:  Madonna traz 'sabedoria' e tumulto ao Festival de Berlim Madonna congestiona a Berlinale ao falar à imprensa   "Não será um trabalho único", disse Madonna à Reuters Television em entrevista antes da sessão oficial do filme. "Fiz o filme porque eu queria aprender a dirigir filmes, e isso é algo que eu vinha querendo havia anos. Eu tinha que encontrar o momento certo na vida para deixar de lado minha carreira de artista/cantora/compositora." O filme certamente vai atrair comparações com a obra de seu marido, o diretor Guy Ritchie. Fama e fortuna  Filth & Wisdom acompanha o narrador A.K., imigrante ucraniano e autodeclarado filósofo e poeta, que busca chegar ao superestrelato com sua banda de punk cigano. O papel principal é feito por Eugene Hutz, membro na vida real da banda Gogol Bordello, e a música da banda está presente na trilha sonora, que também inclui Erotica, de Madonna, e Baby One More Time, de Britney Spears. A.K. divide um apartamento com a bailarina Holly, que a contragosto aceita trabalhar como "pole dancer", e Juliette, que sonha em ajudar criancinhas na África. Os paralelos com a vida de Madonna são evidentes. Além de tornar-se uma das cantoras mais bem-sucedidas de todos os tempos, ela vem fazendo trabalhos em prol de crianças africanas e está em processo de adoção de um menino do Malaui.   A presença de Madonna deixou a Berlinale totalmente congestionada nesta quarta, 13, com sua estréia como diretora e provocou uma enxurrada de jornalistas como nunca se viu no Festival de Berlim, que passa agora por sua 58.ª edição.   A estrela frustrou parte dos jornalistas que insistiam em perguntar o motivo pelo qual ela decidiu investir agora na carreira de diretora de cinema. "Não, essa pergunta é muito provocativa", disse ela.

Mais conteúdo sobre:
FILME BERLIM MADONNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.