Divulgação
Divulgação

Longa sobre a guerra faz uma reflexão da solidariedade entre os homens

Filme de Peter Berger faz retrato fiel da experiência norte-americana no Afeganistão

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

20 de março de 2014 | 03h00

Tem sido um longo caminho para Peter Berg, desde que, como ator, virou joguete nas mãos da mulher fatal Linda Fiorentino no noir O Poder da Sedução, de John M. Dahl. Transformando-se em diretor, tem cultivado a ação. Em Battleship, brincou de guerra com ETs. Em O Grande Herói, que estreia hoje, Berg é o primeiro a dizer que está fazendo o anti-Battleship. Desta vez, ele se inspira na experiência real de um pelotão norte-americano que combate o talibã nas montanhas do Afeganistão. 

Até pela intenção declarada do diretor de fazer tudo menos um fantasia guerreira, o título brasileiro, O Grande Herói, não é nem de longe o mais adequado para o que ele propõe. O próprio livro de Marcus Luttrell e Patrick Robinson foi lançado originalmente pela Planeta como O Único Sobrevivente, e é bem mais apropriado. Porque, na realidade, é disso que se trata. O grupo treinado para superar os limites da resistência e da dor vai sendo dizimado e, no final, sobra somente um para contar a história. 

Durante boa parte da ação, os personagens centrais interpretados por Taylor Kitsch e Mark Wahlberg vivem se fazendo duas perguntas. Taylor, que está de casamento marcado nos EUA, e quer presentear a noiva com um puro sangue, vive perguntando o preço do cavalo arábico e Wahlberg retruca que se trata de árabe. O próprio Wahlberg mais tarde não obtém resposta para outra pergunta que faz incansavelmente. Por que os habitantes daquela aldeia perdida nos confins do Afeganistão estão desafiando o talibã para ajudá-lo? Foi o que confessadamente atraiu Peter Berg nessa história. Existe nela embutida uma reflexão sobre a solidariedade humana e as formas como se manifesta. 

Nos Estados Unidos, muitos críticos saldaram O Grande Herói como o relato mais realista do que tem acontecido com as tropas norte-americanas no exterior. Outros poderão achar essa história de solidariedade uma fábula. Pode até ser, mas o empenho do elenco e o vigor da direção mostram que Peter Berg se esforça para ser o herdeiro das narrativas viris de Robert Aldrich.

O GRANDE HERÓI

Título original: Lone Survivor

Direção: Peter Berger

Gênero: Drama (EUA/2013, 121 min)

Classificação: 16 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.