Locarno premia metáfora de conflito no Oriente Médio

Confirmando as previsões, o filme italiano Private, de Saverio Costanzo, ganhou o Leopardo de Ouro do Festival de Locarno. Private mostra a ocupação por israelenses de um sobrado habitado por uma família de palestinos de classe média, metáfora dos territórios ocupados. O elenco do filme traz israelenses e palestinos, um dos quais, Mohammad Bakri, ficou com o prêmio de melhor ator.O prêmio Especial do Júri ficou com o filme japonês, de Jun Ichikawa, Tony Takitani, que conta a história do solitário japonês com nome de jazzman, Toni Takitani, vítima da moda e aterrorizado com o espírito consumista de sua mulher. O filme é baseado num livro do escritor japonês Haruki Murakami.Dois Leopardos de Prata foram para o filme alemão En Garde, de Ayse Polat e para o filme iraniano Dastan Nataman, de Hassan Yektapanah. En Garde é a história de uma jovem colocada numa instituição católica para crianças abandonadas, que se torna amiga de outra jovem da instituição, de origem curda, como a diretora do filme. As melhores atrizes premiadas foram as protagonistas de en Garde, Maria Kwiatkowski e Pianr Erincin. Dastan Natanam conta a história de um grupo de emigrantes iranianos clandestinos. Não houve prêmios para Rua de Mão Dupla, de Cao Guimarães.

Agencia Estado,

14 de agosto de 2004 | 16h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.