Levinson revela bastidores da eleição dos EUA em 'Poliwood'

Vencedor do Oscar por 'Rain Man', diretor é júri do Festival de Cinema Marrakesh e fala de seu novo filme

Flávia Guerra, de O Estado de S. Paulo,

08 de novembro de 2019 | 19h55

Famoso por filmes como Rain Main, Bom Dia Vietnã, Barry Levinson contou nesta quarta-feira, 19, ao Estado que seu mais novo filme está "no forno" e chegará "ainda quente" aos cinemas no próximo ano. A história, de fato, não poderia ser mais quente: Poliwood. Ou "tudo sobre bastidores das eleições norte-americanas para presidente". "Na verdade, acompanhei as convenções dos dois partidos, Republicano e Democrata, com um grupo de atores que viaja pelos EUA e freqüentou estes encontros em busca de apoio para suas produções e em busca de questionamentos sobre as ações culturais nos Estados Unidos", contou o diretor em conversa nos intervalos de seu trabalho como jurado do 8.º Festival de Cinema de Marrakesh, no Marrocos.   Vencedor do Oscar e do Festival de Berlim em 1995 com Rain Man e indicado ao Oscar por Bugsy, Levinson participa pela primeira vez do festival no Marrocos, onde também exibiu What Just Happened?, sua mais nova comedia caustica sobre os bastidores da indústria de Hollywood. No filme, que chega em breve aos cinemas brasileiros, e que encerrou o Festival de Cannes neste ano, Robert De Niro faz o papel de um produtor de cinema que tem de se desfazer para conseguir a verba para seu novo filme.   Em tempos de crise, Levinson sempre lançou na tela grande sua visão sarcástica, mas sem perder o senso de humor, de questões como a Guerra do Vietnã, a política, a indústria do showbusiness, entre outros assuntos do mundo pós-moderno.   Questionado pelo Estado se os espectadores estão precisando mais do que nunca de heróis e de comédias, Levinson provou porque é dono da fama de "altamente inflamável" em suas declarações: "Acho que estamos precisando de heróis na vida real. No cinema, nos últimos anos, eles têm todos sidos heróis dos quadrinhos, ou seja, de mentira. Para balancear, comedias sempre foram e sempre serão necessárias. Hoje, mais do que nunca."   Nem tanto engraçado e mais modestos que suas últimas grandes produções, como O Homem do Ano (com um hilário Robin Williams) e What Just Happened?, Poliwood tem tudo para ser sucesso no circuito de documentários que cada vez mais ganha fãs em todo o mundo.   E verba já não foi problema de Levinson para realizar este mais novo longa-metragem. "É um documentário modesto, mas interessante. Para adiantar, posso dizer que as convenções Republicanas são algo como um congresso de corretores e as Democratas são como shows de rock. Aprendi muito e acho que tenho muito a mostrar nos cinemas com este filme. A política de fato, e infelizmente, hoje é puro espetáculo de mídia. Uma verdadeira Poliwood."

Tudo o que sabemos sobre:
Barry Levinsoncinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.