Leitores do Estadão querem Zuzu Angel no Oscar

Reúne-se nesta quarta-feira em Brasília, nasede do MinC, a comissão formada pela Secretaria do Audiovisualpara apontar o candidato brasileiro que vai tentar uma vagaentre os cinco indicados para o Oscar de melhor filmeestrangeiro do ano. O nome do eleito sai às 15 horas. A Academiade Hollywood anuncia em janeiro os filmes que vão concorrer aoprêmio em 2007. A festa será no fim de fevereiro. Foram 14filmes brasileiros inscritos para concorrer à vaga, que nãogarante a indicação automática. Os indicados por mais de 40países serão depois submetidos à triagem da academia e só cincovão concorrer ao Oscar. Treze foram colocados em votação no Portal Estadão, quequis saber dos internautas em que filme votariam. Nasegunda-feira, a comissão da Secretaria anunciou que havia um 14º inscrito - mas "Árido Movie", de Lírio Ferreira, que nãoconstava da lista original, não passou pelo crivo dos leitoresdo jornal. O vencedor foi "Zuzu Angel", de Sérgio Rezende. Carlos Drummond de Andrade escreveu seu célebre poemasobre a pedra no meio do caminho. O Oscar é a pedra no meio docaminho do cinema brasileiro. Virou uma questão de honra.Ninguém, em sã consciência e honestamente, acredita que o Oscarpara um filme brasileiro vai mudar qualquer coisa no cinema doPaís. Mas vai resolver o complexo de inferioridade. O Brasil éinternacionalmente reconhecido (e premiado) no esporte, namúsica, nas artes visuais, em várias modalidades da cultura e doconhecimento. O próprio cinema já ganhou prêmios importantes (osmaiores) nos principais festivais do mundo - Cannes, Veneza eBerlim. Mas falta o Oscar para coroar a auto-estima do públicopelo cinema brasileiro. É um público predominantemente de classe média, quefreqüenta (por segurança e/ou conforto) as salas de shoppings. Éum público que valoriza Hollywood, o cinemão. É um público quevai se sentir afagado, recompensado pelo Oscar. Mais de 30% douniverso de leitores e internautas que participaram da pesquisavotaram no filme de Sérgio Rezende baseado na história daestilista que lutou por seu sagrado direito de mãe de enterrar ofilho morto pelo regime militar. "Zuzu Angel" é um filme digno,bem feito, com uma grande cena - a do encontro da estilista como pai do lendário Lamarca. Patricia Pilar e Nelson Dantas são osintérpretes. Foi o último papel dele. Dantas faz um sapateiro.Não diz nada, não precisa dizer. Aquela crispação de lábio, ofio de sangue que escorre pelo canto da boca dizem tudo. A cena nunca ocorreu na verdade, foi uma liberdadepoética do diretor Rezende e do roteirista Marcos Bernstein. Noprefácio do livro da Imprensa Oficial com o roteiro de ZuzuAngel, Rezende, mesmo com o risco de ser mal compreendido, diz oque a cena ilustra - fazer um filme sobre um personagem real éinventar mentiras para contar a verdade. Em segundo lugar na pesquisa do portal, ficou "O MaiorAmor do Mundo", de Cacá Diegues. Em terceiro, "Cinema, Aspirinase Urubus", de Marcelo Gomes. Como o Oscar, sendo um reconhecimento da indústriaamericana, é sempre associado, nem sempre corretamente, aodesempenho de público, não custa anotar que "Zuzu Angel" já foivisto por 792 mil espectadores desde que estreou, em 4 de agosto O acumulado de "O Maior Amor do Mundo", desde o dia 7, registra72 mil espectadores. A temporada do Oscar está recomeçando nocinema brasileiro.Confira os filmes inscritos: Árido Movie, de Murilo Salles A Máquina, de João Falcão Anjos do Sol, de Rudi Lagemann Bens Confiscados, de Carlos Reichenbach Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes Cafundó, de Paulo Betti e Clovis Bueno Depois Daquele Baile, de Roberto Bontempo Doutores da Alegria, de Mara Mourão Estamira, de Marcos Prado Irma Vap - O Retorno, de Carla Camurati O Maior Amor do Mundo, de Carlos Diegues Tapete Vermelho, de Luiz Alberto Pereira Vida de Menina, de Helena Solberg Zuzu Angel, de Sergio Resende

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.