Lars Von Trier corta cenas de morte de burro em filme

O diretor dinamarquês Lars Von Trier cortou as cenas do sacrifício de um burro de seu próximo filme, Manderlay, cedendo a pressões de grupos que defendem os direitos dos animais. Manderlay é a segunda parte de uma trilogia. O primeiro filme, Dogville, se passa nos anos 30 e é estrelado por Nicole Kidman. Von Trier disse que apesar de sua consciência estar tranqüila sobre a morte do burro no longa, ele não queria que o fato ofuscasse a produção. O ator John C. Reilly deixou o projeto por causa de preocupações sobre o bem-estar dos animais.Von Trier afirma que o animal foi sacrificado "com compaixão", usando uma injeção. Em uma declaração, ele disse que tomou a decisão "incomum" de cortar as cenas mostrando o burro morto depois de receber muitas cartas. "Em meu ponto de vista, o conteúdo político e social do filme é tão importante que seria triste se ele fosse rejeitado ou ignorado por causa do ´problema do burro´, como foi chamado pela imprensa", disse ele.No início, a equipe da produção queria usar uma imitação de burro, mas quando percebeu que não funcionaria, eles foram atrás de um que estava para ser sacrificado. Assim como Dogville, Manderlay se passa nos anos 1930 e trata da questão da escravidão no sul dos Estados Unidos.Nicole Kidman fez o papel de Grace na primeira parte da trilogia, mas foi substituída em Manderlay por Bryce Dallas Howard, de A Vila, alegando estar com a agenda lotada de compromissos.

Agencia Estado,

03 de março de 2005 | 13h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.