Lançamentos revitalizam mito Stanley Kubrick

Dois anos depois de sua morte, Stanley Kubrick toma conta da mídia. A carreira do diretor que não gostava de falar de seu próprio trabalho é o tema do documentário Stanley Kubrick: A Life in Pictures, que foi lançado em DVD esta semana. A realização de um projeto antigo dele, uma caixa de DVDs com alguns de seus maiores clássicos e o reconhecimento de seu trabalho em uma lista do American Film Institute completam o revival.No final do mês, chega às telas um trabalho inacabado do cineasta: A.I. (sigla para inteligência artificial), que foi o projeto dos sonhos dele por 20 anos. Depois de sua morte, o filme foi rodado por Steven Spielberg, que mantém em segredo absoluto a história da produção. O nova-iorquino do Bronx, que adotou a Inglaterra para morar, também teve cinco de seus clássicos na lista mais recente do AFI com os 100 melhores thrillers de todos os tempos (todos fazem parte de uma caixa de DVDs lançada esta semana pela Warner Home Video).O documentário de 2 horas e meia é de Jan Harlan, cunhado dele (o alemão de 64 anos é irmão de Christiane, a viúva do diretor). Com o total apoio da família, ele devassa a vida particular do cineasta (em entrevistas com seus parentes e com vídeos caseiros cedidos por eles) e mostra toda a sua energia, seu processo criativo e sua relação com o cinema. Stanley Kubrick: A Life in Pictures também traz informações importantes sobre a realização de suas obras-primas. Além de discutir o homem e seus clássicos, o documentário revela pela primeira vez os projetos que o diretor tinha em andamento. Além de A.I., ele tinha planos de rodar Aryan Papers e um filme sobre Napoleão Bonaparte. São entrevistados no programa nomes importantes do cinema, como Steven Spielberg, Woody Allen, Martin Scorsese e o casal pré-separação Nicole Kidman e Tom Cruise, que trabalhou com o diretor em seu último filme, De Olhos Bem Fechados.A Warner Home Video lançou esta semana nos Estados Unidos a caixa Stanley Kubrick Collection, com nove DVDs. Pelo preço salgado de US$ 200, é possível adquirir sete filmes do diretor (Barry Lyndon, Laranja Mecânica, Nascido para Matar, O Iluminado, 2001: Uma Odisséia no Espaço, Dr. Fantástico, Lolita e De Olhos Bem Fechados), mais o documentário. A coleção tem versões resmasterizadas de todas as produções, com trilhas sonoras em Dolby Digital.A.I. chega aos cinemas americanos no dia 29 com quase tanto mistério quanto De Olhos Bem Fechados, um dos projetos mais secretos do cinema nos últimos tempos. Sabe-se em linha geral o tema do filme. A história é sobre uma sociedade do futuro em que não é possível ter filhos sem uma licença do governo. A tecnologia é tão avançada que quase todas as tarefas são feitas por robôs. Na época, começam a surgir os robôs-crianças com capacidade de serem programados para amar. Haley Joel Osment (o menino de O Sexto Sentido) faz o papel de um robô deste tipo, que é adotado por uma família depois que seu filho morre em um acidente. Seu personagem fica amigo de um andróide interpretado por Jude Law, que tenta ficar cada vez mais parecido com um humano. Os efeitos especiais têm surpreendido nos trailers de cinema e comerciais de TV. No futuro em que a história é passada, o nível da água dos oceanos subiu e cidade costeiras, como Nova York, estão praticamente submersas. O final teria uma surpresa, que deve continuar assim até que a fita entre em cartaz.Kubrick queria um robô para fazer o papel que ficou com Osment. O diretor achava que uma criança cresceria muito rápido e estragaria suas demoradas filmagens (foram mais de dois anos para rodar De Olhos Bem Fechados, praticamente um recorde de Hollywood). O problema é que ele não conseguiu uma máquina que parecesse humana o suficiente, apesar de ter gastado uma fortuna em protótipos. Cerca de dez anos atrás, ele resolveu fazer o personagem com computação gráfica, mas os resultados não agradaram ao diretor.Na lista AFI´s 100 Years 100 Thrills, ele teve cinco produções entre as mais que mais dão "thrills" no público: Laranja Mecânica (em número 21 na compilação), O Iluminado (29), 2001: Uma Odisséia no Espaço (40), Spartacus (62) e Nascido para Matar (95). Em números de indicações na lista, Kubrick ficou atrás apenas de Alfred Hitchcock (com 9, inclusive o número 1, Psicose) e Spielberg (com seis).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.