Acervo Estadão
Acervo Estadão

Kirk Douglas visitou o Brasil em 1963 e elogiou a bossa nova

Na onda do sucesso de 'Spartacus', foi a Brasília, passou o carnaval no Rio e ficou uns dias em São Paulo e disse que tinha vontade de produzir um filme sobre a vida de Juscelino Kubitschek

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 22h53

Em fevereiro de 1963, Kirk Douglas visitou o Brasil ainda se aproveitando do sucesso de Spartacus (1960), o filme em que atuou e produziu, chamando ninguém menos que Stanley Kubrick para ajudar na direção quando o projeto parecia que não ia decolar. Douglas morreu nesta quarta-feira, 5, aos 103 anos.

Conforme relatado nas páginas do Estado, o ator e produtor visitou Brasília, passou o carnaval no Rio e depois ainda viajou a São Paulo. Ele chegou ao País pela então recém-inaugurada capital federal e com simpatia elogiou a arquitetura da cidade.

"O ator manifestou-se impressionado com a arquitetura de Brasília, assinalando que é realmente uma das mais expressivas obras em todo o mundo", diz a reportagem publicada no jornal em 23 de fevereiro de 1963. "Disse a proposito, que os norte-americanos em geral 'têm uma outra filosofia: constroem mais devagar, enquanto os brasileiros fazem tudo a jato'. Fez contudo uma crítica: não gostou dos móveis do Alvorada, pois preferiria ver ali moveis brasileiros, não os norte-americanos que encontrou."

Ainda em Brasília, anunciou vontades (nunca realizadas) de produzir um filme sobre a vida de Juscelino Kubitschek, e também de interpretar Simon Bolívar. 

Em seguida, o ator foi para o Rio passar o carnaval, "divertindo-se no baile no Munipal" (que ele definiria mais tarde como "tremendamente contagiante"). Ali, ele também recebeu uma homenagem do Instituto Brasil-Estados Unidos.

A próxima parada da viagem foi São Paulo, onde "o ator foi envolvido por populares ainda no pátio de manobras de Congonhas, assim que desembarcou".

Em entrevista coletiva na cidade ("extremamente concorrida, com prejuízos para o trabalho dos cronistas especializados", segundo o Estado), Kirk Douglas disse que achava a bossa nova "espetacular" e que levaria como lembrança do Brasil uma "rede nordestina".

Lamentou não conhecer o cinema brasileiro, mas comentou que tinha interesse em assistir a O Pagador de Promessas. A reportagem do Estado informava que ele se encontraria com o governador paulista no Palácio dos Campos Elísios e que passaria o fim de semana no Guarujá.

Eram tempos mais inocentes?

Tudo o que sabemos sobre:
Kirk Douglascinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.