Jordan Strauss/Invision/AP
Jordan Strauss/Invision/AP

Kevin Spacey não será acusado após queixa de abuso sexual em 1992

Caso que envolve um homem adulto foi apresentado a procuradores de Los Angeles em abril e estava sob revisão

LOS ANGELES, Reuters

04 Setembro 2018 | 19h16

O escritório do procurador distrital de Los Angeles informou nesta terça-feira (4) que não irá acusar oficialmente por crimes o ator Kevin Spacey por uma acusação de abuso sexual cometido em 1992 porque o suposto crime já prescreveu sob leis da Califórnia.

O caso, envolvendo um homem adulto, foi apresentado a procuradores de Los Angeles em abril e estava sob revisão. A natureza e a origem da acusação não foram reveladas.

O escritório do procurador distrital informou em uma ficha de avaliação divulgada nesta terça-feira que a acusação aconteceu fora do estatuto de limitações e que uma acusação oficial foi rejeitada.

Spacey não pôde ser contatado para comentários. Ele se envolveu em controvérsia em 2017 quando o ator Anthony Rapp o acusou de tentar seduzi-lo em 1986, quando Rapp tinha 14 anos. Spacey se desculpou por quaisquer condutas inapropriadas com Rapp e não comentou desde então e se afastou da vida pública.

O escritório do procurador distrital de Los Angeles informou em agosto que estava revisando uma segunda acusação de abuso sexual contra Spacey, mas se negou a dar detalhes. O caso ainda está sob revisão.

Spacey, vencedor do Oscar por 'Beleza Americana', é um dos diversos homens na indústria do entretenimento e na política que foram acusados de condutas sexuais inapropriadas nos últimos 10 meses, parcialmente como resultado do movimento #MeToo nas redes sociais.

Ele foi removido no ano passado da série 'House of Cards', da Netflix, e apagado do filme 'Todo o Dinheiro do Mundo'.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.