Divulgação
Divulgação

Ken Loach volta ao tema da luta de classes no filme 'Jimmy's Hall'

Novo longa externa ainda mais as lições de um diretor que beira os 80 anos sem perder o entusiasmo pela arte de fazer cinema. Confira

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2015 | 05h00

Todo ano surgem na imprensa críticas ácidas à seleção do Festival de Cannes. Mais do mesmo, reclamam muitos críticos. Existem diretores que têm cadeira cativa na Croisette, o maior festival de cinema do mundo é parcimonioso em relação ao novo - exceto se o sujeito é canadense e chama-se Xavier Dolan.

A seleção do ano passado, a última do então diretor-geral Gilles Jacob, foi particularmente defenestrada. Jacob e seu delegado artístico, Thierry Frémaux, defenderam-se - Cannes sempre privilegiou os grandes diretores. A imprensa de língua inglesa caiu matando. E quem foi que decretou que diretores como Mike Leigh e Ken Loach são grandes?

Pausa para reflexão. Turner, mesmo tendo recebido o prêmio de interpretação masculina - para Timothy Spall -, é a prova, mais uma, de que Leigh não é grande coisa nenhuma e é até um mistério como suas caricaturas dos ingleses atraem tanto os críticos. Com Loach, a coisa é diferente. A maior crítica que se pode fazer a ele também é o maior elogio, e Jimmy’s Hall, que estreia nesta quinta, 6, é a prova irrefutável. Num mundo que escolheu o mercado, seu discurso de ‘esquerda’ parece anacrônico. Tudo o que Loach ainda defende - humanismo, solidariedade, socialismo democrático - está em baixa. Mas ele resiste, e com a vantagem de fazer bom (grande) cinema. “O mundo já pendeu à direita demais para que eu desista de minhas histórias”, disse ele em Cannes, no ano passado.

A de Jimmy’s Hall é típica. O Jimmy do título, interpretado por Barry Ward, é um jovem líder comunista irlandês que volta a seu país natal depois de passar dez anos em Nova York. Solidário, libertário, Jimmy enfrenta os poderosos locais, o que inclui os dignatários católicos, que se opõem, como coisa do diabo, ao salão de danças que ele cria. É o ‘Hall’. 

No salão de Jimmy, as pessoas dançam, mas também debatem, aprendem. Tudo isso é potencialmente explosivo, perigoso. Pode ser um anacronismo - a luta de classes como motor da História, com H -, mais um de Loach, mas também é uma daquelas histórias humanitárias de que só ele possui o segredo no cinema atual.

Preste atenção no que diz Cécile Mury, da revista francesa Telérama, sobre Jimmy’s Hall. “O novo filme de Ken Loach [DE KEN LOACH]não demonstra nenhum ranço, nenhum desencantamento. Não é um adeus, e sim um vigoroso manifesto político, típico de nosso humanista preferido - talvez um pouco pedagógico, mas sempre cativante, generoso, cheio de vida.” É essa vitalidade que mais atrai no próprio Loach. Seus filmes têm a cara dele. Seu sorriso, sua simpatia, sua generosidade.

Mas, claro, essa é uma impressão subjetiva. Para muita gente, o cinema de Loach é maniqueísta, ultrapassado. O curioso é que, sendo, como é, um ácido crítico do mercado, Loach não deixa de se afirmar dentro dele. Seus filmes fazem sucesso de crítica e de público - um público de resistência, embora não seja impossível conciliar o humanismo de Loach com conceitos de alguns blockbusters -, o que tem permitido ao veterano diretor manter a regularidade de um filme por ano, quase todos os anos, e na relação custo/benefício, alguns belos êxitos.

Loach sabe disso - “Já teria parado se meu discurso caísse no vazio. Mas a verdade é que em muitas partes encontro acolhida para as histórias que conto, e espero continuar contando. De qualquer maneira, já estou chegando aos 80 e um filme como Jimmy’s Hall exige demais em termos de atividade física, não apenas mental/intelectual. Ocorre que eu gosto de fazer filmes. Talvez diminua o ritmo, talvez faça documentários ou ficções num estilo mais documentário. A ideia da aposentadoria surgiu num momento difícil, quando eu duvidava que iria conseguir transpor os obstáculos que se desenhavam para Jimmy’s Hall. Mas é inevitável. Um dia vou ter de parar. A chama vai se extinguir.”

Para Loach, embora a história que ele conta se passe na Irlanda, ela é universal. “Me atraiu muito essa ideia de um homem com uma energia tão grande que o espaço que ele cria vira uma área de multi-uso. O hall de Jimmy é um espaço para que muitas pessoas se expressem, e no qual ideias revolucionárias coexistem com dança, diversão, educação, namoro. Gostei dessa ideia de que a Igreja se alia aos reacionários e precisa ser combatida. O verdadeiro espírito do cristianismo muitas vezes não está na Igreja. Creio não estar dizendo nenhuma novidade. Falei aqui com uns chineses que levantaram o exemplo de Ai Weiwei. É um bom exemplo de artista que catalisa reações contrárias. Ele criou um estúdio para a expressão de outros artistas. O espaço virou um foco de dissidência e as autoridades chinesas intervieram.”

Jimmy’s Hall passa-se na Irlanda, nos anos 1930. Como sempre, Loach e seu roteirista, Paul Laverty, pesquisaram a época, mas como diz Laverty - “Nos acusam de anacronismo, de possuir um discurso velho, mas se há uma coisa que nos preocupa é o aqui e agora. O passado interessa como ferramenta de conhecimento. O hall de Jimmy é sobre a possibilidade de aprender, de transpor limites e também sobre as forças que tentam impedir que isso ocorra com as pessoas. Os clérigos do filme são conservadores, reacionários. Veem perigo em toda parte. Clamam por repressão. Nosso cinema é atacado pela mídia estabelecida no Reino Unido. São eles, todos esses comentaristas que sabem tudo e não acertam nada, que pensam com a cabeça do mercado, os novos clérigos.”

Laverty chega a dizer - “Querem nos fazer crer que a luta de classes se tornou obsoleta no mundo atual. Mas isso é só o que querem nos fazer crer. As relações entre patrões e empregados nunca foram tão conflituosas. Há uma defesa da liberdade individual como se fosse o bem supremo. É mais ou menos como dizer - você pode conseguir o que quer, mas é melhor que seja sozinho. Não é. A união é que faz a força. Basta comparar o protesto de um homem com um protesto coletivo. Qual terá mais força?” A pergunta inevitável - o marxismo, então, não está morto? “Claro que não”, Loach e Laverty bradam em coro.

A política é sempre decisiva no cinema humanista de Loach, mas se há uma coisa de que ele não descuida é da forma do filme. “Sigo trabalhando da mesma forma. Nossos filmes são completamente escritos, mas tem sempre de haver um espaço para a criação do ator. O filme pode ser muito bem escrito, e, mesmo assim, ser arruinado por uma interpretação inadequada. Nosso objetivo (de Laverty e dele) é sempre comprometer o ator. Nosso naturalismo não é espontâneo, mas construído. Passa por leituras, improvisações. E assim chegamos à textura das cenas que imaginamos.” Do elenco ‘jovem’ participam atores e atrizes como Barry Ward, Simone Kirby e Andrew Scott. Todos possuem expressiva carreira na televisão e no teatro. “O entusiasmo de todos eles foi decisivo para o clima do filme, mas é sempre assim. Não conseguiria trabalhar com um elenco que não tivesse esse grau de entrega.”

PRESTE ATENÇÃO

A fala com força de manifesto

1. Discrição. O reencontro de Jimmy/Barry Ward com a mulher amada; a forma delicada como Ken Loach e o roteirista Paul Laverty armam o triângulo é um raro exemplo de emoção contida.

2. Veemência. O discurso da mãe de Jimmy, quando ela protesta contra a arbitrariedade da perseguição ao filho, tem a força e o valor de um manifesto.

3. Canto. A alma irlandesa transborda nas canções que agitam o ‘hall’. O gramofone, a orquestra, tudo contribui para o clima.

4. Dança. Num filme tão pudico, no qual coisas íntimas e essenciais permanecem caladas, o breve toque nas cenas dançadas adquire um relevo especial pelo que revela dos personagens.

KEN LOACH - CINEASTA

Filho de operários, nasceu em 1936, na Inglaterra, e estreou em 1968 com A Lágrima Secreta. Diversas vezes premiado em Cannes, ganhou a Palma de Ouro por Ventos da Liberdade, em 2006.

 

Mais conteúdo sobre:
cinemaKen LoachJimmy’s Hall

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.