Divulgação
Divulgação

Ken Loach une comédia e futebol em 'À Procura de Eric'

Eric Cantona, lendário jogador francês, interpreta anjo da guarda de um carteiro de meia idade

Reuters

05 de novembro de 2009 | 10h52

Dentro de campo, o jogador francês de futebol Eric Cantona, ex-dono da camisa 7 do Manchester United, costumava surpreender seus adversários, com jogadas ousadas e gols incríveis. No começo deste ano, foi a hora de ele mostrar outros talentos fora do esporte, ao revelar-se até um ator razoável, além de coprodutor da comédia "À Procura de Eric", do diretor inglês Ken Loach ("Ventos da Liberdade"), que entra em cartaz neste fim de semana.

 

Veja também:

Trailer de "À Procura de Eric"

A bem da verdade, deve-se admitir que o papel de Cantona no filme não oferece maiores dificuldades - até porque ele interpreta nada mais, nada menos, do que ele mesmo. Nesta história de fundo humanista e com um leve toque de fantasia, Cantona é uma espécie de anjo da guarda do carteiro Eric (Steve Evets).

Divorciado, na meia-idade, guardião de dois enteados depois que a mulher o deixou, o Eric carteiro tem problemas como solidão, dinheiro, bebida e o envolvimento de um de seus garotos com gângsters. Seu ídolo Cantona começa misteriosamente a aparecer-lhe, guiando-o com conselhos, que o levam a mudar de atitude e enfrentar tudo isso e ainda uma velha questão do passado, uma pendência com o primeiro amor, Lily (Stephanie Bishop).

Como sempre no universo de Loach, há uma costura sutil, em mais um roteiro de Paul Laverty, seu colaborador habitual - em trabalhos como "Meu Nome é Joe" (98), "Pão e Rosas" (2000) e "Ventos da Liberdade" (Palma de Ouro em Cannes em 2006) -, ambientando a história num meio de classe média baixa, da qual fazem parte, além de Eric, seu afetuoso grupo de amigos - que protagonizarão uma divertida cena de vingança no final, que é melhor não revelar aqui.

Na coletiva de imprensa em Cannes, em maio passado, Loach, um habitual diretor de dramas sociais, contou ter simpatizado com a ideia de, como ele diz, "por um sorriso no rosto das pessoas". Para ele, a comédia é "uma tragédia com final feliz". Por isso, acredita que esta história também poderia ser tratada como uma tragédia - e há elementos para isso. O mais importante para ele não era o gênero e sim levar a história com muita verdade. O que, mais uma vez, ele conseguiu.

Cantona, por sua vez, surpreendeu meio mundo na mesma coletiva ao revelar seus gostos cinematográficos - que incluem, além de trabalhos do próprio Loach, como Riff-Raff, ninguém menos do que o cineasta italiano Pier Paolo Pasolini ("Decameron", "Contos de Canterbury"), morto em 1975. Neusa Barbosa, do Cineweb.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.