Eric Lalmand/ AFP
Eric Lalmand/ AFP

Ken Loach é condecorado por universidade belga em meio a polêmicas

Cineasta britânico é acusado de antissemitismo e 'negacionismo'

AFP

27 Abril 2018 | 12h21

O diretor de cinema britânico Ken Loach foi nomeado nesta quinta-feira, 26, Doutor Honoris Causa da Universidade Livre de Bruxelas (ULB), apesar dos protestos de universitários e da comunidade judaica da Bélgica, que o acusam de antissemitismo e 'negacionismo'.

"Acho um pouco surpreendente ter que fazer essa declaração sobre essas acusações porque toda a minha carreira e todos os filmes que eu fiz buscavam defender os direitos humanos e [...] a justiça social", disse Ken Loach em uma coletiva de imprensa, onde se defendeu das acusações.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, alimentou a polêmica nesta quarta-feira durante uma visita à Grande Sinagoga de Bruxelas ao lamentar, em nome do combate ao antissemitismo, as honras concedidas ao cineasta.

"Nossa firmeza deve ser total. Não se pode tolerar nenhum acordo com o antissemitismo. Em nenhuma de suas formas. Isso serve inclusive para minha própria alma mater", afirmou Michel, em referência à prestigiada ULB, onde estudou Direito.

"Entendi que ele estudou Direito nessa universidade. Ensinam mal ou ele não foi aprovado nos exames?" - ironizou o diretor de "Eu, Daniel Blake", na coletiva. "Um bom advogado deve examinar as provas antes de chegar a uma conclusão. Senhor Michel, olhe as provas!"

A origem da polêmica está nas declarações de Ken Loach em uma entrevista concedida em setembro de 2017 à BBC.

Ao ser perguntado sobre se negar o Holocausto era aceitável, o diretor, muito comprometido com a esquerda, respondeu: "Toda a história é um patrimônio comum para discutir e analisar. A fundação do Estado de Israel, por exemplo, baseada na limpeza étnica, está aí para debatermos sobre ela".

Com a comoção suscitada na Bélgica, a ULB informou nesta semana que prestaria homenagem à "obra militante" do cineasta, e que suas posições políticas "surgem de sua liberdade de expressão e não comprometem a universidade". A ULB lhe pediu para "reiterar suas posições sem equívocos", o que Loach aceitou em comunicado.

 

Mais conteúdo sobre:
Ken Loach antissemitismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.