Kate Winslet ganha ação contra revista britânica

A atriz Kate Winslet ganhou nesta sexta-feira, 9, uma açãocontra a revista britânica Grazia, processada pela estrela deHollywood por publicar erroneamente que tinha ido a um médico paracontrolar seu peso. Em uma audiência realizada no Tribunal Superior de Londres,Rachel Atkins, advogada da atriz, alegou que sua cliente teve areputação afetada e sofreu uma crise de estresse como conseqüênciada notícia. O artigo em questão, publicado em fevereiro, assegurava queKate, de 31 anos, tinha recorrido ao Instituto de Terapia Chinesade Santa Monica (Califórnia) não só pelas dores que sentia nopescoço mas também para se submeter a um tratamento de perda dePeso.Credibilidade Ao entrar com a ação, a atriz argumentou que a informação minavasua credibilidade, pois sempre defendeu as mulheres curvilíneas enunca se deteve aos ditados do mundo da moda, que defendem umasilhueta quase esquelética. "Não sou uma hipócrita. Sempre fui, e continuarei sendo, honestaem questões que são relativas ao peso e ao corpo", disse a atriz emcomunicado, ao se declarar contente pela resolução da polêmica. "A revista Grazia se desculpou completamente e admitiu que ainformação era incorreta, o que me deixa com a consciência muitotranqüila", afirmou a atriz, estrela de Titanic. Recentemente Kate recebeu sua quinta indicação ao Oscar e disputou o prêmio na categoria de melhor atriz por Pecados Íntimos "Acredito fervorosamente que as curvas são naturais, femininas ealgo real. Continuo pensando que as mulheres podem acreditar nelasmesmas pelo que levam dentro de si e não sentir uma incrível pressãopara ficarem magras artificialmente", afirmou.Postura admirável A revista, que publicou uma desculpa em sua edição de março,lamentou as "moléstias causadas" à atriz e elogiou sua "posturaadmirável" em favor das curvas femininas. Segundo os advogados de Winslet, as partes em litígio chegaram aum acordo para que a Grazia doe uma grande quantia a umaorganização beneficente escolhida pela atriz que se dedica a lutar contra os transtornos alimentares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.