Guy Ferrandis/ Sony Pictures
Guy Ferrandis/ Sony Pictures

Kate Winslet encontra prazer em novo filme 'Carnage'

Atriz se divertiu com Jodie Foster, John C. Reilly e Christopher Waltz em longa de Polanski

CHRIS MICHAUD, REUTERS

16 de dezembro de 2011 | 13h33

Quando Roman convida, Kate aceita. As férias podem esperar. Roman é Polanski, e Kate é Winslet, cujo novo filme, Carnage, uma comédia de costumes que critica pais oprimidos, rendeu à atriz uma indicação para o Globo de Ouro por sua atuação.

"Eu tinha planejado não trabalhar", disse Kate à Reuters em uma entrevista por telefone. "Mas isso acabou sendo jogado pela janela no segundo em que escutei o nome de Roman Polanski."

"Não se acha de si mesmo que se é digno de Roman Polanski", disse sobre o diretor dos clássicos Chinatown e O Bebê de Rosemary. "Então você teria que ser muito estúpido para não mudar seus planos".

Carnage, que traz no elenco Jodie Foster, John C. Reilly e Christoph Waltz, é baseado na sátira da Broadway de Yasmina Reza sobre dois casais que se encontram certa tarde para discutir a rixa entre seus filhos no playground.

"O que é brilhante é que Yasmina consegue tornar essa história engraçada, porque se não fosse engraçada, não seria um filme muito agradável de ver", disse Kate.

"Elas nos fazem rir com eles e, o que é mais importante, deles", disse dos quatro personagens - uma escritora liberal (Jody Foster), seu marido vendedor (Reilly), um advogado sombrio (Waltz) e uma corretora de investimento (Kate) - que estão praticamente em todas as cenas.

Kate, que ganhou um Oscar por seu trabalho em O Leitor depois de ser indicada ao prêmio seis vezes, riu ao se lembrar "do modo ridículo como os personagens se portam, comendo bolo de frutas e bebendo uísque - no meio do dia! É tão absurdo".

Mas embora Kate diga que as oito semanas de filmagens em Paris tenham "sido um período realmente divertido para nós quatro", não foram só alegria e risadas.

Polanski, afinal, tem uma reputação de ser um dos diretores mais autocráticos e meticulosos do mundo do cinema.

Isso não perturbou Kate, que ganhou fama graças à força de sua interpretação em filmes pequenos e independentes como Almas Gêmeas e Razão e Sensibilidade antes de participar de blockbusters como Titanic.

A atriz, afinal, é uma mulher que recentemente enfrentou um incêndio em uma vila na ilha particular de Richard Branson no Caribe para resgatar sua mãe idosa e que processou os tabloides britânicos em 2009 por difamação - e ganhou.

"Eu nunca encontrei um homem com tanta energia", disse sobre Polanski. "Ele tem um carisma tão incrível... e a energia mais descarada e perversa".

Sobre seu estilo de trabalho, ela descreveu Polanski como "incrivelmente direto. Ele é realmente brusco, realmente franco, o que eu adoro".

"Ele pode ser cruel", continuou. "Mas ao mesmo tempo eu me surpreendi com o modo como ele pode ser colaborador, dizendo ao elenco para tentar do seu próprio modo", antes de acrescentar, após uma pausa: "Da minha maneira é melhor, mas tente da sua".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.