Justiça dos EUA aprova plano para reestruturação dos estúdios MGM

Após decreto de falência, reorganização da produtora foi aceita; MGM detém o direito de clássicos como: O E o Vento Levou e O Mágico de Oz

Efe,

03 de dezembro de 2010 | 05h00

NOVA YORK - Em audiência, nesta quinta-feira, 2. o juiz Stuart Bernstein deu sinal verde para o plano de reestruturação apresentado pelo estúdio Metro Goldwyn Mayer (MGM) para sair da situação de falência declarada há quase um mês e realizar as mudanças necessárias em conjunto com seus acionistas.

 

A proposta para a reestruturação da MGM, que tem dívidas avaliadas em US$ 4 bilhões, se baseia em um acordo com a produtora Spyglass Entertainment, cujos executivos passarão a dirigir o estúdio assim que este sair da situação de quebra.

A operação foi possível após ser aprovada pelos credores da empresa, que concordaram em transformar sua participação na dívida em ações da nova MGM.

 

A reforma do estúdio reduzirá drasticamente o tamanho da companhia, com a função de produtora superando a de distribuidora.

A origem dos problemas financeiros da MGM começou em 2004, quando a Sony, a empresa de telecomunicações Comcast e as financeiras Providence Equity e TPG Capital lideraram uma operação para comprar o estúdio por US$ 5 bilhões.

Posteriormente, o valor foi considerado excessivo, já que sofrera influência da alta de preços em meio a uma bonança econômica mundial e do declive das vendas em DVD.

 

Ao optar pelo procedimento da Lei de Quebra, a MGM rejeitou uma oferta de US$ 2 bilhões apresentada pelo conglomerado India Pariwar e outra de US$ 1,5 bilhão da Time Warner.

A MGM, dona dos direitos da franquia de James Bond, possui um catálogo de cerca de quatro mil filmes, entre eles clássicos como O Mágico de Oz, E o Vento Levou e Ben-Hur.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.