Júri não chega a veredicto sobre Winona Ryder

Os jurados do caso de Winona Ryder não chegaram a um veredito no primeiro dia de reunião, ontem. Eles passaram cinco horas a portas fechadas, mas não enviaram nenhuma mensagem ou pergunta à Corte. Uma nova sessão de deliberações do júri está marcada para hoje. O trabalho da promotoria e dos advogados da atriz carcaterizaram o episódio de formas diferentes, e o júri tem que aceitar uma das interpretações. A promotoria consolidou a versão de que Winona estava à procura de fortes emoções ao supostamente roubar mais de US$ 5.500 em mercadorias da loja Saks Fifth Avenue em dezembro de 2001. Já os advogados de defesa disseram que ela foi vítima de um excesso por parte dos guaradas da segurança. A acusação de roubo pode render a Winona até três anos de prisão. Um dos últimos detalhes que podem ajudar o júri a decidir se condena ou absolve Winona foi divulgado esta semana. Numa audiência fechada entre a defesa e o juíz Elden Fox, o advogado da atriz, Mark Geragos, afirmou que a revista feita a ela pode ser considerada como abuso sexual. Policiais e agentes de segurança da loja teriam levantado a saia e a blusa de Winona. De acordo com as transcrições da reunião, Winona teria mesmo confessado que roubou, mas o advogado atrbuiu isso à intimidação imposta pelos policiais e seguranças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.