Johannes Eisele/AFP
Johannes Eisele/AFP

Juliette Binoche vai presidir o júri do Festival de Berlim em 2019

O Festival de Cinema de Berlim será realizado de 7 a 17 de fevereiro

EFE

11 Dezembro 2018 | 17h40

A atriz francesa Juliette Binoche presidirá o júri internacional da próxima edição do Festival de Cinema de Berlim, que será realizado de 7 a 17 de fevereiro, segundo anunciaram os organizadores do evento nesta terça-feira, 11.

O diretor da Berlinale, Dieter Kosslick, declarou em comunicado que está "muito feliz" por Binoche retornar ao evento "nessa função diferente" e acrescentou que o festival tem uma "sólida relação" com a atriz, ganhadora de um Oscar em 1997 por O Paciente Inglês, papel pelo qual também foi premiada no festival.

Binoche agradeceu pela "tremenda honra e o convite à sua última Berlinale". A próxima edição do festival, a de número 69, será a última dirigida por Kosslick.

A atriz, que recebeu, entre outros, o prêmio Felix (posteriormente chamado de Cinema Europeu) em 1992 por Os Amantes de Pont-Neuf (1991) e os de melhor atriz no Festival de Veneza em 1993 por A Liberdade é Azul, e em Cannes em 2010 por Cópia Fiel, disse que exercerá a tarefa "com alegria e atenção".

O festival berlinense destacou que a atriz francesa "foi a primeira europeia a receber as honras nos festivais de Berlim, Veneza e Cannes" e lembrou que "cativou o público e os críticos em mais de 70 filmes".

Filha de artistas, Binoche viveu uma infância difícil em um internado e só tinha quatro anos quando os pais se divorciaram. Aos 17 anos decidiu ser atriz, após ter se dedicado à pintura, sua outra grande paixão.

Estudou interpretação em Paris, primeiro em escolas particulares e depois na Escola Nacional de Interpretação Francesa. Em 1985, interpretou Rendez-vous, de André Techiné, filme que foi muito elogiado pela crítica no Festival de Cannes e pelo qual recebeu o Prêmio Rommy Schneider como a atriz mais promissora do ano.

Nos útimos anos, Binoche esteve na Berlinale em 2013, com o filme Camille Claudel 1915, um drama sobre a escultora Camille Claudel, e um ano depois com Mil Vezes Boa Noite, no qual interpretou uma fotógrafa de guerra, e depois com Ninguém Deseja a Noite

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.