Juiz proíbe menores de assistirem a "Madagascar"

O juiz Alexandre da Rosa, da Vara da Infância e da Juventude de Joinville, Santa Catarina, proibiu o ingresso de crianças e adolescentes - mesmo que acompanhadas dos pais ou responsáveis - às salas de cinema que exibem o filme Madagascar, mais recente animação da Dreamworks.A decisão atende ao pedido do advogado George Alexandre Rohrbacher, que entrou com representação contra a UIP - United Internacional Pictures Distribuidora de Filmes. Segundo o advogado, o filme apresenta, em diversos momentos e de maneira subliminar, mensagens de estímulo ao consumo de drogas, especificamente o ecstasy.Os shoppings da cidade e as outras salas de exibição foram informados da decisão e estão sujeitos ao pagamento de multa de R$ 500 por criança ou adolescente que assistir ao filme. Os estabelecimentos devem afixar cópia da decisão na bilheteria."A protagonista, ao chegar a uma festa, lamenta a ausência da ?balinha? (...) Relembre-se aos mais incautos que ?balinha? é sinônimo de ecstasy", reconheceu o juiz. "O importante é que crianças e adolescentes, público alvo da película, não podem continuar submetidos ao filme, cuja apologia naturalizada ao consumo de entorpecentes é acolhida sub-repticiamente", afirmou o juiz.A animação da Dreamworks está em exibição em 450 salas no país e conta a história de animais do zoológico do Central Park, em Nova Iorque. Leia mais no Conjur.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.