Jornal argentino destaca acordo com cinema brasileiro

É o fim da fronteira entre os cinemas do Brasil e Argentina. Foi assim que o jornal argentino La Nación noticiou o acordo firmado entre a Agência Nacional de Cinema (Ancine) e o Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (Incaa) para estimular o trânsito de longas-metragens entre os dois países. "A abertura recíproca é uma ação estratégica para a formação de um mercado comum cinematográfico na região", disse ao jornal Jorge Coscia, que preside o Incaa.Pelo acordo, comissões vão escolher filmes argentinos e brasileiros para serem exibidos no país vizinho, com aportes financeiros de até R$ 100 mil. As produções argentinas escolhidas são Historias Mínimas, Ilusión de movimiento, Lugares Comuns, Cleopatra, El Bonaerense, Micaela e Apasionados. No sentido inverso, os brasileiros que serão exibidos na Argentina são Madame Satã, de Karin Aïnouz, O Caminho das Nuvens, Amarelo Manga, de Claudio Assis, O Casamento de Louise , de Betse de Paula; Cristina Quer Casar, de Luiz Villaça; Dois Perdidos numa Noite Suja, de José Joffily, Deus É Brasileiro, de Cacá Diegues, e Separações, de Domingos de Oliveira.

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2003 | 15h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.