REUTERS/John Sibley
REUTERS/John Sibley

Johnny Depp quer apelar contra veredicto de 'espancador de esposa' no Reino Unido

Na quinta-feira, a equipe legal do ator pedirá permissão para apelar e se basear em indícios adicionais. A audiência, que se espera durar cerca de duas horas, será transmitida ao vivo no canal de YouTube do Tribunal de Apelações

Michael Holden, Reuters

17 de março de 2021 | 16h23

LONDRES - O astro de Hollywood Johnny Depp pedirá permissão na quinta-feira para apelar de sua derrota em um caso de difamação julgado em Londres no ano passado que decorre de um artigo de tabloide que o rotulou como um espancador de esposa.

Andrew Nicol, um juiz da Alta Corte, determinou em novembro que Depp agrediu violentamente sua ex-esposa Amber Heard durante o relacionamento tempestuoso de cinco anos do casal, fazendo-a temer pela própria vida em certas ocasiões.

A decisão veio depois de três semanas de audiências nas quais o tribunal ouviu acusações e contra-acusações impactantes de Depp, de 57 anos, e Heard, de 34, sobre rompantes de violência que um acusa o outro de ter tido.



Depp, estrela de filmes como Piratas do Caribe e Edward Mãos de Tesoura, havia ido a Londres para processar o jornal The Sun e um de seus jornalistas por causa de um artigo que afirmou que ele foi violento com Heard.

"Concluí que a grande maioria das supostas agressões do senhor Depp contra a senhorita Heard foram provadas", disse Nicol no parecer de novembro.

Mais tarde, os advogados de Depp disseram que o veredicto é tão falho que seria ridículo ele não apelar.

Eles disseram ser "perturbador" que o juiz tenha se fiado no depoimento de Heard e rejeitado os indícios de policiais, seu ex-assistente e outras testemunhas que eles disseram terem minado os indícios de Heard.

Na quinta-feira, a equipe legal de Depp pedirá permissão para apelar e se basear em indícios adicionais. A audiência, que se espera durar cerca de duas horas, será transmitida ao vivo no canal de YouTube do Tribunal de Apelações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.