Joel Ryan/AP
Joel Ryan/AP

Johnny Depp pode ser condenado à prisão por transporte ilegal de animais

O ator entrou na Austrália sem declarar seus dois cães, Pistol e Boo

O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2015 | 10h20

O ator Johnny Depp, protagonista da série Piratas do Caribe, pode ser condenado a até 10 anos de prisão ou a pagar uma multa máxima de US$ 340 mil por levar seus dois cachorros ilegalmente à Austrália. O piloto que o levava em seu avião, por sua vez, pode pegar até dois anos de prisão pela importação não declarada de Pistol e Boo, nome dos dois animais. Os detalhes foram revelados numa audiência de um comissão do Senado em Canberra, capital do país. A informação é do The Sidney Morning Herald.

A situação chegou a envolver o Ministério da Agricultura australiano, Barnaby Joyce, que ameaçou, no início do mês, sacrificar os dois cães da raça Yorkshire Terrier, após serem levados ilegalmente ao país. Autoridades do ministério se apresentaram à comissão do Senado, cujos membros estavam curiosos para saber quem tinha permitido a entrada dos cachorros.

Uma investigação ainda em curso, feita pelo departamento, acredita que a tripulação e os passageiros do voo deixaram de declarar a presença dos bichos. Autoridades da alfândega inclusive não encontraram os terriers quando entraram na aeronave, antes de os passageiros desembarcarem.

Pistol e Boo, que foram deslocados com segurança para os EUA, só foram descobertos e apreendidos porque se tornaram famosos no Facebook. Após serem levados a um salão de beleza para cachorros e terem os paparicos publicados na rede,  se tornaram sua presença em solo australiano ficou notória.

Curiosamente, o comitê do Senado descobriu que os animais de estimação de Depp não foram os únicos cães ilegalmente transportados à Austrália recentemente. Há seis meses, um cão entrou no país sem ser declarado dentro da bolsa de uma americana. A entrada do bicho foi autorizada, mas o modo de viagem não. O cão escapou do raio-x, mas passou um tempo em quarentena antes de ser liberado.

Mais conteúdo sobre:
Johnny DeppAustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.