Disney
Disney

Johnny Depp ganharia US$ 22,5 milhões por 'Piratas do Caribe 6'

O agente do ator, Jack Whigham, prestou depoimento nesta segunda, 2, como parte do julgamento envolvendo Johnny Depp e Amber Heard

Chris Lefkow, AFP

03 de maio de 2022 | 07h44

Johnny Depp ganharia US$ 22,5 milhões pelo sexto filme da franquia Piratas do Caribe, mas, depois que sua ex-mulher Amber Heard o acusou de violência doméstica, a Disney descartou o projeto, informou nesta segunda-feira, 2, o agente do ator.

Jack Whigham, que prestou depoimento por vídeo a um tribunal dos arredores de Washington onde acontece há três semanas um julgamento envolvendo os ex-cônjuges, disse que a coluna de Amber no Washington Post foi "catastrófica" para a carreira de Depp em Hollywood.

"Depois do artigo, foi impossível conseguir um filme de estúdio para ele", contou Whigham ao júri de sete pessoas no tribunal da Virgínia. Agente de Depp desde 2016, ele disse que um acordo havia sido fechado com a Disney para que o ator voltasse a interpretar Jack Sparrow no sexto filme da franquia. "Fechamos em US$ 22,5 milhões."

A Disney, no entanto, decidiu seguir por "uma direção diferente" após a publicação do artigo de Amber no Post, em dezembro de 2018, relatou Whigham.

Depp processou Amber por difamação pela coluna que ela escreveu para o Post, na qual ela se descreveu como "uma figura pública que representa a violência doméstica".

Questionado pelos advogados de Amber, Whigham disse que o acordo com a Disney sobre a compensação de Depp por um novo filme Piratas do Caribe foi verbal: "Houve um entendimento sobre qual seria o acordo."

Também depôs hoje Travis McGivern, membro da equipe de segurança de Depp. Ele disse que testemunhou uma discussão entre o casal em sua cobertura em Los Angeles durante a qual Amber deu um soco no rosto de Depp, lançou uma lata de bebida e cuspiu no ator.

O guarda-costas disse que escoltou Depp, "para a sua segurança". "Era hora de fazer o meu trabalho e tirá-lo de lá."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.