Neil Hall/ Reuters
Neil Hall/ Reuters

Johnny Depp é 'espancador de esposa', decide juiz em caso de difamação contra tabloide

Johnny Depp perdeu o processo contra um tabloide britânico, que o rotulou de 'espancador'

Michael Holden e Alistair Smout, Reuters

02 de novembro de 2020 | 11h45

O astro de Hollywood Johnny Depp perdeu nesta segunda-feira, 2, sua batalha alegando difamação contra um tabloide britânico que o rotulou de “espancador de esposa”, depois que um juiz da Suprema Corte de Londres decidiu que ele havia agredido repetidamente sua ex-parceira, colocando-a numa posição de temer por sua vida.

Em uma decisão que poderá prejudicar seriamente a reputação e a carreira de Johnny Depp, o juiz Andrew Nicol afirmou ter aceitado as alegações da ex-mulher do ator, a atriz Amber Heard, de que ele a havia agredido violentamente durante seu tempestuoso relacionamento de cinco anos.

“Eu descobri que a grande maioria dos alegados ataques à Sra. Heard pelo Sr. Depp foram comprovados de acordo com o padrão civil”, disse Nicol. “O reclamante não obteve sucesso na ação por difamação.”

Os advogados de Depp descreveram a decisão como “perversa e desconcertante” e disseram que seria ridículo ele não apelar.

Depp, 57, estrela de filmes como Piratas do Caribe e Edward Mãos de Tesoura, processou o News Group Newspapers, os editores do Sun e um de seus jornalistas, Dan Wootton, por causa de um artigo de 2018 que afirmava que ele tinha sido violento com Heard, 34.

O jornal também questionou o fato de ele ter sido escalado na franquia de filmes Animais Fantásticos e Onde Habitam.

Nicol decidiu que as alegações do jornal eram “substancialmente verdadeiras”.

Ao longo de três semanas na Suprema Corte de Londres em julho, o juiz ouviu evidências de Depp e Heard sobre seu casamento, supostos casos amorosos, seu estilo de vida hedonista, a batalha contra bebidas e drogas, e suas brigas furiosas.

Cada um acusava o outro de explosões violentas.

Heard disse que Depp se transformava em um alter ego ciumento, “o monstro”, depois de consumir drogas e álcool. Ele ameaçou matá-la com frequência, ela afirmou. Heard detalhou 14 ocasiões de violência extrema quando disse que o ator a estrangulou, esmurrou, estapeou, deu uma cabeçada e chutou.

Nicol disse que aceitava 12 desses relatos como verdadeiros, incluindo a agressão a Heard após sua festa de 30 anos e um outro incidente que a deixou com os olhos roxos. Ele também apoiou a descrição de Heard de um período de três dias de “ataques contínuos e múltiplos” enquanto eles estavam na Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.