REUTERS|Suzanne Plunkett
Amber Heard e Johnny Depp foram casados por cerca de dois anos, desde então se enfrentam na justiça. REUTERS|Suzanne Plunkett

Amber Heard e Johnny Depp foram casados por cerca de dois anos, desde então se enfrentam na justiça. REUTERS|Suzanne Plunkett

Johnny Depp e Amber Heard enfrentam incertezas na carreira após resultado de julgamento

A ex-mulher do ator foi condenada a indenizá-lo em US$ 15 milhões e vai receber US$ 2 milhões dele

Denise Lavoie , AP

Atualizado

Amber Heard e Johnny Depp foram casados por cerca de dois anos, desde então se enfrentam na justiça. REUTERS|Suzanne Plunkett

FAIRFAX - A conclusão do júri de que tanto Johnny Depp como sua ex-mulher, Amber Heard, foram difamados em uma longa disputa pública, encerrou um julgamento de seis semanas que também levantou questões sobre se os dois atores podem superar reputações manchadas.

O veredicto proferido na quarta-feira, 1º, na Virgínia, concluiu que Depp havia sido difamado por três declarações em um artigo escrito por Heard, na qual ela disse ser uma vítima de abuso. O júri lhe concedeu mais de 10 milhões de dólares. Mas os jurados também concluíram que Heard foi difamada por um advogado de Depp que a acusou de criar um boato detalhado em torno das alegações de abuso. Ela recebeu 2 milhões de dólares.

Depp esperava que o processo de calúnia ajudasse a restaurar sua reputação. No entanto, especialistas em direito e entretenimento disseram que a reputação de ambos os atores foi prejudicada por detalhes ruins sobre seu breve casamento que surgiram durante o julgamento transmitido por televisão e assistido por milhões de pessoas.

"Ambos trabalharão novamente, mas acho que levará um tempo até que um grande estúdio os considere 'seguros' o suficiente para apostar", disse o ex-advogado de entretenimento Matthew Belloni, que escreve sobre os negócios de Hollywood para o boletim Puck. "A bagagem pessoal que foi revelada neste julgamento foi nojenta demais para um estúdio querer lidar com ela".

O caso cativou os espectadores que assistiram à cobertura televisiva do início ao fim, incluindo seguidores apaixonados nas mídias sociais que dissecaram os maneirismos dos atores, suas escolhas de guarda-roupa e seu uso de álcool e drogas.

Ambos os atores emergem com perspectivas pouco claras para suas carreiras. Depp, três vezes indicado ao Oscar de Melhor Ator, foi uma estrela milionária até os últimos anos, com créditos incluindo a interpretação do Capitão Jack Sparrow nos filmes Piratas do Caribe. No entanto, ele perdeu esse papel e foi substituído no spinoff Fantastic Beasts.

A carreira de atriz de Heard tem sido mais modesta, e seus únicos dois próximos papéis estão em um pequeno filme e na próxima sequência de Aquaman que devem sair no próximo ano.

Sem vencedores

Eric Rose, um especialista em gestão de crises e comunicação de Los Angeles, chamou o julgamento de "clássico assassinato seguido de suicídio", em termos de danos às duas carreiras.

"De uma perspectiva de gestão de reputação, não pode haver vencedores", disse ele. "Eles se ensanguentaram um ao outro. Agora se torna mais difícil para os estúdios contratar um ou outro ator porque você está potencialmente rejeitando um grande segmento de seu público que pode não gostar do fato de ter escolhido Johnny ou Amber para um projeto específico porque os sentimentos são tão fortes agora".

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Estou ainda mais decepcionada com o que este veredicto significa para outras mulheres
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Amber Heard, atriz

Heard, que compareceu ao tribunal na quarta-feira e foi impassível enquanto o veredicto era lido, disse estar de coração partido pelo que ela descreveu como um revés para as mulheres em geral.

"Estou ainda mais decepcionada com o que este veredicto significa para outras mulheres. É um contratempo. Faz o relógio retroceder para uma época em que uma mulher que falou e se exprimiu poderia ser humilhada publicamente. Isso atrasa a ideia de que a violência contra as mulheres deve ser levada a sério", disse ela em uma declaração publicada em sua conta no Twitter.

Depp, que não estava no tribunal na quarta-feira, disse: "o júri me deu minha vida de volta".

"Espero que minha busca para que a verdade seja dita tenha ajudado outros, homens ou mulheres, que se encontraram na minha situação, e que aqueles que os apoiam nunca desistam", disse ele em uma declaração postada na Instagram.

Depp processou Heard por calúnia no Tribunal do Condado de Fairfax por conta do artigo de dezembro de 2018 que ela escreveu no The Washington Post descrevendo-se como "uma figura pública representando o abuso doméstico". O ensaio nunca mencionou seu nome.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O júri me deu minha vida de volta
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Johnny Depp, ator

O júri decidiu a favor do Depp em todas as três de suas reivindicações relativas a declarações específicas na peça.

Ao avaliar os pedidos de Heard, os jurados consideraram três declarações de um advogado de Depp que chamou suas alegações de falsas. Eles decidiram que ela foi difamada por um deles, no qual o advogado alegou que ela e seus amigos "entornaram um pouco de vinho e reviraram o local, contaram suas histórias", e chamaram a polícia.

Enquanto o caso era ostensivamente sobre calúnia, a maioria dos depoimentos se concentrava em saber se Heard tinha sido abusada física e sexualmente, como ela alegava. Heard enumerou mais de uma dúzia de supostos abusos, incluindo uma briga na Austrália - onde Depp estava filmando uma seqüência de Piratas do Caribe - na qual ele perdeu a ponta de seu dedo médio e Heard disse que ela foi agredida sexualmente com uma garrafa.

Depp disse que ele nunca bateu em Heard e que era ela a agressora, embora os advogados de Heard tenham destacado mensagens de texto antigas de Depp pedindo desculpas a Heard por seu comportamento, bem como mensagens que ele enviou a um amigo em que Depp disse que queria matar Heard e sujar seu cadáver.

Brett Ward, advogado de direito de família em Nova York, disse que Depp se tornou uma testemunha mais confiável ao admitir o uso de drogas e álcool e que ele poderia ser uma pessoa difícil. Mas ele disse que Depp também correu o risco de tornar esses momentos mais memoráveis para o público do que seu trabalho cinematográfico.

"Ele diz que fez isso por seus filhos. Tendo assistido a todo o julgamento, acho que ele não prestou nenhum serviço a seus filhos ao lavar toda essa roupa suja", disse Ward em uma entrevista.

"Mas se isto valeu a pena para Johnny Depp, saberemos daqui a cinco anos se ele se restabelecer como um ator de Hollywood de lista A. E se ele não o fizer? Acho que ele cometeu um erro terrível porque a maioria das pessoas não vai se lembrar de sua distinta carreira em Hollywood. Eles vão se lembrar deste julgamento".

Colaborou Lindsey Bahr e John Carruci

Tudo o que sabemos sobre:
Amber HeardHollywoodJohnny Deppcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Amber Heard diz sofrer ameaças de morte durante processo contra Johnny Depp

Alegações finais do julgamento estão previstas para acontecer nesta sexta-feira, 27; data de divulgação do veredicto ainda é incerta

Chris Lefkow, AFP

27 de maio de 2022 | 07h54

A estrela de Aquaman, Amber Heard, disse nesta quinta-feira, 26, ter recebido milhares de ameaças de morte durante o "angustiante" julgamento por difamação entre ela e seu ex-marido, Johnny Depp. "Estou sendo assediada, humilhada e ameaçada todos os dias", disse Heard, de 36 anos, no último dia de apresentação de testemunhos no julgamento realizado em Fairfax, Virgínia, perto da capital americana.

Heard disse ser alvo de uma campanha nas redes sociais de "milhões" de admiradores de Depp e que sofre ataques de pânico, pesadelos e traumas. Pessoas querem me matar e me dizem isso todos os dias", afirmou perante o júri, às vezes chorando ou com a voz embargada. "As pessoas querem pôr meu bebê no micro-ondas e me dizem isso".

"Recebo centenas de ameaças de morte regularmente, se não diariamente, milhares desde que este julgamento começou, pessoas que debocham do meu testemunho sobre ter sido agredida", disse a atriz texana. "Tem sido angustiante, doloroso, o mais humilhante pelo que tive que passar", disse. "Só quero que Johnny me deixe em paz".

O julgamento de seis semanas contou com a presença diária de fãs de Depp, alguns dos quais fizeram fila durante horas à noite para garantir alguns dos lugares limitados ao público. A juíza Penney Azcarate ameaçou expulsar os espectadores durante o testemunho emocionado de Heard nesta quinta-feira.

"Se voltar a ouvir um som, vou esvaziar a galeria e continuaremos este depoimento sem ninguém na sala", advertiu. "Entendido?"

'Acusações atrozes'

O depoimento de Heard ocorreu um dia depois de Depp subir ao banco das testemunhas, onde disse que foi "brutal" ouvir as acusações "atrozes" e "extravagantes" de abuso doméstico da ex-esposa. "Nenhum ser humano é perfeito, claro que não, nenhum de nós, mas nunca cometi agressão sexual, nem abuso físico na minha vida", disse Depp, de 58 anos.

Depp disse ter iniciado ações legais porque precisava abordar "o que vinha suportando a contragosto durante seis anos".

Heard e Depp foram casados entre 2015 e 2017. Em maio de 2016, a atriz, de 36 anos, obteve uma ordem de afastamento contra seu então marido, alegando violência doméstica. O ator apresentou um processo por difamação em Londres contra o tabloide The Sun por chamá-lo de "espancador de esposas". Em novembro de 2020, perdeu o caso.

Depp, três vezes indicado ao Oscar, processou Heard por um artigo de opinião que a atriz publicou no jornal The Washington Post em dezembro de 2018, no qual ela se descreve como uma "figura pública que representa o abuso doméstico".

Embora não o tenha citado no artigo, Depp a acionou por insinuar que era um abusador e pede US$ 50 milhões em danos. Heard contra-atacou e pede US$ 100 milhões alegando ter sofrido "violência física e abuso desenfreados".

Em seu depoimento, a atriz disse que a contra-ação tentava recuperar sua voz: "Johnny tirou minha voz", disse. "Tenho o direito de contar a minha história".

Alegações finais na sexta-feira

Heard depôs sobre múltiplos casos de supostos abusos físicos e sexuais por parte de um Depp intoxicado, incluindo uma agressão sexual com uma garrafa enquanto o casal estava na Austrália. Depp afirmou que Heard era quem se mostrava violenta com frequência e que uma vez cortou a ponta de seu dedo médio após atirar-lhe uma garrafa de vodca.

Os dois alegam danos em suas carreiras em Hollywood.

A equipe legal de Heard apresentou um especialista na indústria do entretenimento que disse que a atriz perdeu papéis e promoções no cinema e na televisão estimados entre US$ 45 milhões e US$ 50 milhões.

Outro especialista da indústria contatado pelos advogados de Depp disse que o ator perdeu milhões pelas acusações de abuso, incluindo um pagamento de 22,5 milhões de dólares pelo sexto filme da série Piratas do Caribe.

As alegações finais ocorrerão nesta sexta-feira, 27, após o que o júri de sete membros passará a deliberar sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Devolvam a vida' a Johnny Depp, pede advogada do ator ao júri

'As provas mostradas neste tribunal demostraram que a senhorita Heard é a agressora', argumentou a defesa do astro no processo contra Amber Heard

Chris Lefkow, AFP

27 de maio de 2022 | 16h32

A advogada de Johnny Depp apelou nesta sexta-feira, 27, ao júri para declarar sua ex-esposa Amber Heard culpada por difamação e a devolverem-lhe a vida.

"O que está em jogo neste julgamento é a reputação de um homem", disse Camille Vasquez, advogada do astro de Piratas do Caribe, nas alegações finais no tribunal de Fairfax, Virgínia. 

"Pedimos que devolvam a vida ao senhor Depp, que digam ao mundo que o senhor Depp não é o agressor que a senhorita Heard disse e que a façam pagar por suas mentiras", disse Vasquez. 

"As provas mostradas neste tribunal demostraram que a senhorita Heard é a agressora", afirmou. "Foi violenta, abusiva e cruel".

Os advogados das duas partes apresentam suas alegações finais após seis semanas de acusações mútuas de violência doméstica entre o ex-casal. 

A juíza Penney Azcarate entregará o caso ao júri de sete pessoas na tarde desta sexta-feira. Os jurados estarão livre no final de semana e na segunda-feira, um feriado, e retomarão as deliberações na terça-feira.

Depp, de 58 anos, processou Heard por um artigo de opinião que a atriz publicou no jornal The Washington Post em dezembro de 2018, no qual ela se descreve como uma "figura pública que representa o abuso doméstico".

Apesar de a atriz, estrela de Aquaman, não ter mencionado o nome do ex-marido, Depp, três vezes indicado ao Oscar, a processou por insinuar que ele era um agressor e pediu 50 milhões de dólares de indenização.

Heard, de 36 anos, apresentou uma contra-acusação, pedindo 100 milhões de dólares, alegando ter sofrido "violência física e abuso desenfreados".

Dezenas de testemunhas participaram do julgamento, entre eles, guarda-costas, executivos de Hollywood, agentes, especialistas da indústria do entretenimento, psiquiatras, médicos, amigos e familiares.

"Monstro" 

Depp e Heard estiveram amplamente expostos por vários dias durante o julgamento, transmitido pela televisão, que atraiu centenas de fãs, principalmente do ator. 

Os jurados ouviram gravações de áudio e vídeos das acaloradas discussões do casal, além de fotos das lesões que Heard afirma ter sofrido durante o casamento.

Especialistas em saúde testemunharam por várias horas sobre um ferimento no dedo, que Depp sofreu durante a rodagem de um dos filmes da série Piratas del Caribe na Austrália, em março de 2015.

Depp afirmou que a ponta de seu dedo médio da mão direita foi decepada quando Heard lhe atirou uma garrafa de vodca. Heard disse que não sabia como ocorreu a lesão.

Ambos concordaram que Depp chegou a escrever mensagens nas paredes, nos abajures e espelhos com um dedo ensanguentado. 

Heard afirmou que Depp se tornou um "monstro" fisicamente e sexualmente abusivo quando usava álcool e drogas excessivamente, e que resistiu aos repetidos esforços dela para conter seu uso. 

De acordo com a atriz, Depp prometeu sua "humilhação mundial" se ela o deixasse. Heard foi alvo de uma extensa campanha de mídia social sob o lema #JusticeForJohnnyDepp.

Depp declarou que foi "brutal" escutar as "hediondas" e "extravagantes" acusações de abuso doméstico de sua ex-esposa.

"Nenhum ser humano é perfeito, claro que não, nenhum de nós é, mas nunca cometi agressão sexual nem abuso físico em minha vida", disse.

Carreiras "afetadas" 

Heard e Depp ficaram casados de 2015 a 2017. Em maio de 2016, a atriz obteve medidas protetivas contra seu então marido, alegando violência doméstica.

O ator apresentou uma ação por difamação em Londres contra o jornal The Sun por chamá-lo de "espancador de esposas", mas perdeu o caso em novembro de 2020.

Ambos alegam danos em suas carreiras em Hollywood.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O que está em jogo neste julgamento é a reputação de um homem
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Camille Vasquez, advogada de Johnny Depp

A equipe legal de Heard apresentou um especialista da indústria de entretenimento que estimou que a atriz perdeu contratos e promoções em cinema e televisão no valor de entre 45 e 50 milhões de dólares.

Um especialista do mesmo setor, contratado pelos advogados de Depp, disse que o ator perdeu milhões devido às acusações de abuso, incluindo um pagamento de 22,5 milhões de dólares pelo sexto filme da série Piratas.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaJohnny DeppAmber Heard

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Depp X Heard: Segundo dia tem bate boca de advogados e termina sem veredicto

O júri terminou o segundo dia de deliberações sem chegar a um veredicto; colegiado retorna nesta quarta-feira, 1

Redação, AP

31 de maio de 2022 | 21h04

O processo de difamação movido por Johnny Depp contra a ex-mulher, Amber Heard ainda está longe do fim. No segundo dia de deliberações, o juri do caso terminou esta terça-feira, 31, sem chegar a um veredicto. 

O júri civil, composto por sete pessoas, ouviu as alegações finais na sexta-feira e deliberou por cerca de duas horas antes de sair para o feriado do Memorial Day. Os jurados deliberaram por mais sete horas nesta terça-feira. Eles vão retornar os trabalhos nesta quarta-feira, 1, em Fairfax County Circuit Court.

Depp está processando Heard em US$ 50 milhões, ele acusa a atriz de difamá-lo em um artigo publicado em 2018 no jornal The Washington Post, quando ela escreveu ser "uma figura pública representando o abuso.'' Heard entrou com uma reconvenção de US$ 100 milhões contra o protagonista de Piratas do Caribe, depois que o ex-advogado de Heard classificou suas alegações como uma farsa. Ambos se acusam de destruir a carreira. 

O testemunho se arrastou por um julgamento de seis semanas, que expôs a intimidade do casamento dos atores. Heard testemunhou que Depp a agrediu fisicamente e sexualmente mais de uma dezena de vezes. Durante seu depoimento, Depp testemunhou que nunca bateu em Heard, que ela inventou as alegações de abuso, e que foi ela quem o atacou fisicamente, várias vezes.

Durante as alegações finais, ambos os lados disseram ao júri que um veredicto em seu favor devolveria a vida a seus clientes. Na terça-feira, os advogados de Depp pediram à juíza Penney Azcarate para instruir o júri a desconsiderar parte das alegações finais apresentadas pelo advogado de Heard, que argumentou que uma decisão a favor de Depp seria um exemplo negativo para todas as mulheres agredidas em relacionamentos, bem como passaria um sentimento de impunidade aos agressores, disse Rottenborn, que representa a atriz.

Os advogados de Depp argumentaram que Rottenborn pediu indevidamente ao júri para se concentrar em um objetivo social maior do que o caso que eles estão sendo solicitados a decidir.`Tal argumento do advogado da Sra. Heard convida indevidamente o júri a decidir, argumentam os advogados de Depp. A juíza afirmou que a decisão cabe ao júri agora. (Associated Press) 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Johnny DeppAmber Heardcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Amber Heard é condenada a indenizar Johnny Depp em US$ 15 milhões e vai receber US$ 2 milhões dele

O julgamento, que começou em abril, finalmente foi concluído, depois de quase 50 dias de depoimentos e testemunhos, troca de acusações, lágrimas e protestos

Daniel Silveira, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2022 | 16h40

* Atualizada às 19:32, de 1º/6/2022.

O ator Johnny Depp saiu vitorioso em seu midiático processo contra a ex-mulher Amber Heard nesta quarta-feira, 1º, apesar de os jurados acharem que os dois astros de Hollywood são culpados por difamação. De acordo com o veredicto, Amber Heard difamou seu ex-marido em um artigo publicado pelo The Washington Post em 2018, no qual ela se descreveu como uma "figura pública que representa o abuso doméstico".

Mas o júri também deu razão ao processo apresentado pela atriz por US$ 100 milhões, no qual ela afirmava ter sido difamada por declarações do advogado de Depp, Adam Waldman, que disse ao Daily Mail que as alegações de abuso eram uma "montagem".

O júri foi composto por sete membros, cinco homens e duas mulheres, e considerou neste caso que Depp difamou sua ex-mulher através do advogado e que o ator deve indenizá-la em US$ 2 milhões. Já Amber Heard foi condenada a pagar 15 milhões de dólares para o ex-marido, que o juiz reduziu para US$ 10,3 milhões para cumprir os limites estaduais de danos punitivos.

Depois de saber da decisão, a atriz disse que estava decepcionada "para além das palavras" e considerou o julgamento "um revés" para as mulheres.

"Hoje sinto uma decepção para além das palavras. Estou inconsolável porque a montanha de evidências não foi suficiente para fazer frente ao poder e à influência desproporcional do meu ex-marido", disse Heard em um comunicado.

Por sua vez, o ator, que não esteve presente no tribunal para a leitura da decisão, declarou no Instagram que "depois de seis anos, o júri me devolveu a vida. Estou realmente comovido".

O julgamento, que começou em abril, finalmente foi concluído, depois de quase 50 dias de depoimentos e testemunhos, troca de acusações, lágrimas e protestos, principalmente de fãs do ator. O júri civil, composto por sete pessoas, ouviu as alegações finais na sexta-feira, 27, e deliberou por cerca de duas horas antes de sair para o feriado do Memorial Day. Eles voltaram a se encontrar na terça-feira, 31. Ao todo, o grupo levou 3 dias para deliberar sobre o caso. 

O casamento entre Johnny Depp e Amber Heard durou dois anos, de 2015 a 2017. A partir de 2016, no entanto, os dois passaram a se acusar mutuamente de agressões e violência, com diversos processos sendo movidos na justiça. Entenda a linha do tempo do caso:

 

2016 - A primeira acusação

A briga judicial entre Johnny Depp e Amber Heard começou em 2016, quando ela processou o marido por violência conjugal. As acusações foram retiradas durante o processo de divórcio. Em 2018, no entanto, o tabloide inglês The Sun publicou um texto no qual afirmava que Depp era um marido violento, questionando como a escritora J.K. Rowling poderia aceitá-lo no elenco do filme Animas Fantásticos, spin-off do universo de Harry Potter. O ator processou o jornal, mas perdeu o caso em março do ano passado.

 

2018 - Um artigo no 'Washington Post'

Também em 2018, sem citar Depp, Amber Heard escreveu um artigo no jornal Washington Post no qual falava de abusos sofridos desde a infância. O texto não citava Depp, mas fazia referência ao fato de que, ao se pronunciar publicamente sobre assédios sofridos, ela sofrera perseguição, com projetos profissionais sendo cancelados.

Em seguida, a atriz abriu um processo contra Depp, pedindo US$ 100 milhões. Ela o acusa de agressões e de comportamento violento. O ator tentou derrubar o caso, mas a justiça norte-americana manteve sua validade em março deste ano. Ao mesmo tempo, Depp abriu processo de difamação contra Heard, afirmando que suas acusações eram uma “farsa elaborada” e que ele havia sofrido agressões da parte da atriz.

 

11 de abril - O julgamento

O caso foi a julgamento, que teve início no dia 11 de abril e segue sendo realizado no estado da Virgínia, nos Estados Unidos.

Em seus argumentos iniciais, os advogados de Heard afirmaram que a atriz viveu um inferno durante seu casamento com Depp, que teria se revelado “um monstro por conta do consumo de drogas e álcool”, com ataques de raiva que levavam a agressões verbais, físicas e sexuais. Já os advogados de Depp iniciaram seu trabalho na corte afirmando que ela se comportava de forma violenta contra ele e que o processo movido pela atriz tinha como motivação uma vingança pessoal pelo fato do ator ter pedido o divórcio.

 

12 de abril - Irmão de Depp e terapeuta do casal depõem

Um dos primeiros depoimentos, no dia 12 de abril, foi o da irmã de Depp, Christi Dembrowski, que contou ao júri sobre os abusos sofridos por ela e o irmão na infância. Segundo ela, a mãe os agredia constantemente e, por conta disso, Depp seria incapaz de reproduzir esse comportamento. Em seguida, o tribunal ouviu a terapeuta do casal, Laurel Anderson, segundo quem havia “abuso mútuo” na relação do casal. “Ambos foram vítimas de abuso em suas casas. Acho que ele [Depp] se manteve sob controle por décadas até Heard ficar fora de controle e eles se envolverem no que chamo de abuso mútuo", afirmou, ressaltando que diversas vezes viu hematomas no rosto da atriz. “Sim, Depp saía para diminuir a intensidade da briga, ela bateu nele para mantê-lo ali porque preferia brigar do que ficar sozinha.”

 

20 de abril - O ator é ouvido

No dia 20, foi a vez de Johnny Depp depor. Ele afirmou que Heard o “destruía verbalmente” e que evitava brigas se trancando no banheiro. “Se eu ficasse para discutir, tenho certeza que escalaria para violência e muitas vezes isso acontecia. Em sua ira e sua raiva, ela atacava", acrescentou. "Começava com um tapa. Podia começar com um empurrão", afirmou Depp. Segundo o ator, após meses sóbrio, ele voltou a beber quando foi agredido pela mulher, que teria jogado nele uma garrafa de vodka - os estilhaços teriam cortado a ponta de seu dedoEle também negou ter agredido Heard

Na sequência, foi a vez dos advogados de Heard interrogarem Depp. Eles mostraram mensagens de texto nas quais o ator chamava a atriz de “puta imunda” e afirmava o desejo de “queimar Amber”, além de dizer que após queimá-la faria sexo com ela para ter certeza de que estaria morta. Os advogados também o questionaram a respeito de seu problema com álcool e drogas, lembrando episódios de sua vida, como o contato com o cantor Marilyn Manson, com quem teria usado cocaína diversas vezes.

 

3 de maio - Prejuízos profissionais

O próximo a ser ouvido foi o agente de Depp, Jack Whigham, que testemunhou que o ator teria perdido importantes trabalhos por conta do artigo publicado por Heard no Washington Post. Segundo ele, “tornou-se impossível conseguir um filme de estúdio para ele”. Entre os prejuízos, estariam US$ 22,5 milhões que Depp deixou de ganhar quando foi cortado pela Disney para uma nova sequência de Piratas do Caribe.  Fora do julgamento, uma colunista do portal Rotten Tomatoes publicou artigo no qual afirma que, por conta do processo, a personagem de Heard em Aquaman 2 teve sua participação reduzida, aparecendo apenas 10 minutos no longa, que estreia em 2023.

 

3 de maio - Juíza mantém o julgamento

No início de maio, os advogados de Heard pediram que o caso movido por Depp fosse arquivado: segundo a defesa, após três semanas de julgamento, havia ficado claro que Depp não era capaz de provar que fora prejudicado pelo artigo no Washington Post. A juíza, no entanto, negou o pedido e afirmou entender que as evidências apresentadas eram suficientes para permitir que o caso prosseguisse.

Já no final do mês de maio, na última semana do julgamento, os advogados do ator fizeram o mesmo pedido à juíza do caso: arquivamento do processo em que Amber Heard acusa Johnny Depp de difamação. Como no caso de Amber, a magistrada negou o pedido e manteve o julgamento. Em sua resposta, a juíza Penney Azcarate alegou que é obrigada por lei a garantir que o júri faça um veredicto, se houver chances da alegação da atriz prevalecer

 

4 de maio - A atriz é ouvida

Amber Heard foi a próxima a testemunhar. No dia 4 de maio, afirmou ter sofrido violência física e agressões desde o primeiro encontro com Depp, em 2009. Ela também afirmou que sofre de transtorno de estresse pós-traumático por conta do comportamento de Depp, o que foi atestado por um psicólogo durante o julgamento. A atriz relatou diversos casos de violência e disse que Depp a agredia por conta de ciúmes. Em um desses episódios, ele a teria chamado de puta por conta de sua decisão de trabalhar em um filme com o ator James Franco - Depp acreditava que os dois teriam um caso. Ainda segundo Heard, apesar de “um milhão de promessas de ficar limpo e sóbrio", da terapia de casal e dos esforços de reabilitação, Depp sempre voltava a beber e usar drogas. Nesses momentos, continuou, o ator chegou a agredi-la sexualmente.

 

9 de maio - Contradições expostas

Em uma reportagem, a agência de notícias Associated Press mostrou como os depoimentos estavam, até aquele momento, se contradizendo. À época, a atriz ainda não tinha finalizado sua fala. Enquanto Depp disse que nunca tinha abusado fisicamente de Heard, ela disse que foi agredida em mais de uma dúzia de ocasiões. O testemunho do ator foi no sentido contrário, alegando que quem era violenta na relação era Amber. 

 

16 de maio - Sufocamento durante lua de mel

O julgamento ficou parado durante alguns dias e retornou em 16 de maio com a atriz sentada no banco das testemunhas. No mesmo dia a atriz disse aos jurados que Depp a jogou contra uma parede e enrolou uma camisa em seu pescoço durante a lua de mel deles em 2015. Em um vagão dormitório do Expresso do Oriente, Depp teria dado um tapa no rosto dela e batido repetidamente seu corpo contra uma parede. 

 

17 de maio - Depp fora da franquia Piratas do Caribe

O ator, que já não tinha participado dos últimos filmes da franquia, foi retirado do elenco dos dois próximos lançamentos, que ainda não têm datas para estrearem. O anúncio foi feito pelo produtor dos filmes Jerry Bruckheimer, em entrevista ao The Sunday Times. Porém, o diretor ressaltou que "o futuro ainda está para ser decidido".

No mesmo dia, os advogados de Depp concluíram o interrogatório de Heard. Em interrogatório, ela negou as acusações de que seria a instigadora da violência no casal. "Eu nunca agredi o Sr. Depp ou qualquer pessoa com quem eu fui romanticamente envolvida", disse.

 

19 de maio - Johnny Depp: 'ciumento', 'controlador' e 'pouco profissional'

A atriz Ellen Barkin disse em depoimento que o ator era ciumento, controlador e se embebedava com frequência. Ellen contou que teve uma breve "relação sexual" com o ator na década de 1990 e que, durante os vários meses em que estiveram juntos, Depp "estava bêbado na maior parte do tempo". Tracey Jacobs, ex-agente de Depp também deu um testemunho gravado e disse que a fama do ator começou a decair depois de 2010 devido a seu "comportamento pouco profissional". Jacobs afirmou que tal comportamento incluía o uso de drogas e álcool, além de "chegar tarde no set consistentemente em praticamente todos os filmes".

 

25 de maio - Mais uma ex-namorada de Depp testemunha

A modelo britânica Kate Moss prestou depoimento em favor do ator na disputa judicial de difamação. Os advogados do ator chamaram Moss como testemunha depois de Heard ter dito que temia que Depp empurrasse sua irmã por uma escada abaixo. Heard disse lembrar de "rumores" de que Depp teria empurrado Moss por um lance de escadas, e por isso deu um tapa nele para impedi-lo de fazer mal à irmã. Moss, que namorou Depp de 1994 a 1998, negou que o ator a tenha empurrado.

 

26 de maio - Ameaças de morte

A um dia das alegações finais do processo, Heard disse ter recebido ameaças de morte durante o julgamento. A atriz contou que estava sendo vítima de uma campanha nas redes sociais promovida por fãs do ator. "Recebo centenas de ameaças de morte regularmente, se não diariamente, milhares desde que este julgamento começou, pessoas que debocham do meu testemunho sobre ter sido agredida", disse. Fãs de Depp se reuniam diariamente para assistir ao julgamento no local. 

 

27 de maio - Alegações finais

Na sexta-feira, 27, os advogados de ambos atores fizeram suas alegações finais. Em resumo, pediram que a vida fosse devolvida a seus clientes. O testemunho se arrastou por um julgamento de seis semanas, que expôs a intimidade do casamento dos atores. "O que está em jogo neste julgamento é a reputação de um homem", disse Camille Vasquez, advogada de Depp. 

 

COLABOROU JOÃO LUIZ SAMPAIO/ESPECIAL PARA O ESTADÃO

COM INFORMAÇÕES DA AFP E DA REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Johnny DeppAmber Heard

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.