Johnny Depp diz que língua francesa o deixa maluco

Você está tendo problemas com suas conjugações francesas? Saiba que não é o único. Johnny Depp, o francófilo número 1 de Hollywood, está na mesma situação.

JOHN IRISH, REUTERS

01 de dezembro de 2010 | 19h21

O ator de 47 anos pode enxergar a França como seu lar espiritual e ter como companheira a atriz e cantora parisiense Vanessa Paradis, mas, como já sentiram tantas pessoas antes dele, as sutilezas do idioma francês o estão deixando um pouco frustrado.

Em conversa com a Reuters antes da première, na próxima semana, da comédia romântica cheia de ação "The Tourist", em que ele contracena com a premiada com o Oscar Angelina Jolie, Depp sorri quando é perguntado como está seu francês.

"Bem? Não sei. Ainda tenho dificuldade com as conjugações, essa coisa do feminino e do masculino", disse ele, falando em francês com um leve sotaque americano. "Isso me deixa maluco."

Depp conheceu Paradis em 1998, e hoje o casal divide seu tempo entre Hollywood Hills e uma fazenda no sul da França, além de casas em Paris, Manhattan e Bahamas.

Afastando-se de seus costumeiros personagens excêntricos, o astro da franquia "Piratas do Caribe" representa em "The Tourist" um professor de matemática que se envolve em uma teia de mentiras tecida pela personagem glamourosa de Jolie.

Para Depp, a França proporciona à sua vida uma dose de simplicidade que, em Hollywood, seria impossível devido a seu status de superastro.

"A França é tudo", disse ele, fumando um cigarro. "Ela me proporcionou uma vida seminormal. Há algo de magnético aqui - não sei o que é."

Ambientado em Paris e Veneza, "The Tourist" reúne Johnny Depp e Angelina Jolie na telona pela primeira vez. Os dois não se conheciam pessoalmente antes do filme.

Jolie, 35 anos, admite que trabalhar com Depp a incentivou a esforçar-se um pouco mais como atriz. Para ilustrar o que dizia, ela explicou que, quando estavam fazendo "The Tourist", os atores discutiram a personagem malévola, da versão cinematográfica de "A Bela Adormecida".

"Tendo conhecido Johnny e assistido a seu trabalho, tive a sensação de que eu deveria tentar me divertir ao máximo", disse Jolie.

Indagado sobre o tipo de papel que seria apropriado para Jolie, Johnny Depp não se furtou a responder. Lady Macbeth, a femme fatale absoluta de Shakespeare, foi uma de suas sugestões.

E, ainda inspirado pelos franceses, ele refletiu que a decadência e o erotismo do poeta francês Charles Baudelaire não estariam fora do alcance de Jolie.

"Ela tem profundidade, grande humor, uma raiva saudável - poderia levar 'Flores do Mal' à tela", afirmou Depp.

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEJOHNNYDEPP*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.