John Wayne, ícone do gênero western, morria há 35 anos

Ator foi, por muitos anos, um dos dez mais e até o número na bilheteria de Hollywood

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2014 | 17h35

Completam-se nesta quarta, 11 de junho, 35 anos da morte de John Wayne. Durante mais de uma década ele lutou contra o câncer no pulmão que terminou por matá-lo. Chegou a fazer um filme que não deixa de estar em sintonia com seu sofrimento pessoal. Em 1976, dividiu a cena com James Stewart – ambos já haviam feito O Homem Que Matou o Facínora, de John Ford, em 1962 – em O Último Pistoleiro. Seu papel era o de um velho mocinho que morria de câncer, mas ainda tinha alento para derrotar a quadrilha que assolava cidadezinha.

Curiosidade – como no clássico Os Brutos Também Amam/Shane, de George Stevens, com Alan Ladd, em que o pistoleiro assumia dimensões míticas através do olhar de um menino, em O Último Pistoleiro era visto pelo olhar do adolescente, e ele era interpretado por um garoto que haveria de virar diretor de prestígio, Ron Howard. John Wayne era um nome de fantasia – ele nasceu Marion Robert Morrison, em 1907. Detestava o próprio nome. Marion, mesmo em inglês, é dúbio e nem um pouco apropriado para um jovem de 1,92m que se destacou como campeão de futebol americano na Universidade de Southern California.

Conta a lenda que um diretor de westerns, um certo John Ford, já havia reparado nele, mas ao aceitar o convite de Raoul Walsh para protagonizar The Big Trail, em 1930, Wayne provocou a ira daquele que seria seu mentor. Ford puniu-o e por toda aquela década Wayne só fez filmes B. Em 1939, finalmente, Ford chamou-o para o papel que mudou sua vida em Stagecoach/No Tempo das Diligências. O filme foi um divisor de águas na carreira do próprio Ford. A partir daí, fizeram muitos filmes juntos – westerns, principalmente, mas também de outros gêneros.

Um dos melhores é Depois do Vendaval/The Quiet Man, em que Ford celebrou a Irlanda mítica de seus ancestrais. Mas foram os westerns que marcaram – e um deles, Rastros de Ódio/The Searchers, de 1956, é simplesmente um dos maiores filmes de todos os tempos. A lista é longa – Sangue de Herói, O Céu Mandou Alguém, Legião Invencível, Rio Bravo, Marcha de Heróis, Audazes e Malditos, Terra Brava, o citado O Homem Que Matou o Facínora e A Conquista do Oeste. E também A Longa Viagem de Volta, Fomos os Sacrificados.

Somente a extraordinária parceria de Wayne com John Ford já lhe garantiria o lugar no panteão dos grandes do western – e do cinema –, mas ele também trabalhou com outros grandes diretores. Com Howard Hawks, fez Rio Vermelho, Onde Começa o Inferno, Eldorado, Rio Lobo, todos westerns, e também Hatari!, uma genial aventura de caçadas na África. Com Henry Hathaway, também foram muitos westerns, entre eles Fúria no Alasca e Bravura Indômita, a primeira versão, de 1969 – houve uma refilmagem dos Irmãos Coen, com Jeff Bridges –, que lhe deu o Oscar.

John Wayne virou ícone, envelheceu perante as câmeras e seu rosto cheio de rugosidades – esculpido na pedra, como diziam os críticos franceses – tornou-se tão familiar para o público de todo o mundo que ele ele foi, por muitos anos, um dos dez mais e até o número na bilheteria de Hollywood. Talvez por isso, muitos críticos duvidavam de que ele fosse um ator. Era, e dos maiores. Suas interpretações em Rastros de Ódio e O Homem Que Matou o Facínora são antológicas. Mas foi preciso que ele se autoparodiasse em Bravura Indômita – gordo, caolho e beberrão – para ganhar o Oscar da Academia. Por merecimento, teria ganhado antes, inclusive por A Primeira Vitória, poderoso drama de guerra de Otto Preminger, de 1964. John Wayne morreu em 11 de junho de 1979, aos 72 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.