João Grilo consagra Matheus Nachtergaele

Matheus Nachtergaele admite que é auto-crítico. "Sou muito exigente e perfeccionista em relação ao meu trabalho, sempre acho que está aquém do que poderia ser". Mas a crítica do ator sobre sua atuação parece ser apenas uma opinião própria. O diretor Guel Arraes não se cansa de dizer que Matheus foi a escolha perfeita para interpretar João Grilo, em O Auto da Compadecida. O próprio Ariano Suassuna afirmou que o ator é o melhor interprete de Grilo que apareceu até agora. "Sou muito grato aos dois. Eu me sinto honrado pelos elogios", disse o ator. Quando a série foi ao ar, a atuação de Matheus Nachtergaele como João Grilo agradou também ao público. O ator ficou mais conhecido e o assédio aumentou. Antes de chegar à televisão, Matheus já surpreendia a crítica teatral com sua participação na peça O Livro de Jó, encenada pelo Teatro da Vertigem. Participou de filmes como O Que é Isso Companheiro?, Central do Brasil e O Primeiro Dia, entre outros.O ator demorou para trabalhar na televisão. "Eu não tinha como objetivo fazer tevê. Não tenho nenhum preconceito contra esse veículo. Como não sou contratado, tenho liberdade de escolha. Só faço o que gosto". Além de João Grilo, Matheus emprestou seu talento para interpretar o travesti Cintura Fina, na série Hilda Furacão (1998). No começo do ano, vestiu a batina do atormentado Padre Miguel em A Muralha. Quando foi convidado para interpretar João Grilo, Matheus teve receio de assumir uma papel cômico já que seu currículo estava repleto de personagens dramáticos. Fez um intenso trabalho de pesquisa e mudou o visual. Colocou prótese nos dentes, escureceu a pele e adotou um olhar vesgo. "Foi bem cansativo adotar esse olhar. Às vezes, eu pensava ´ainda faltam seis horas de filmagem...´. Mas ficou muito bom para o personagem", conta. O ator revela também que para compôr João Grilo buscou inspiração na figura de um menino que conheceu no Vale do Jequitinhonha. "Ele era magrinho, se sentia inferior aos outros garotos. Mas quando ele me trouxe seu caderno de escola percebi que ele era o mais inteligente de todos". Em O Auto da Compadecida, João Grilo abusa das mentiras para sobreviver. Mesmo assim, Matheus defende seu personagem. "Ele pertence a um grupo de pessoas desprovidas de cultura, que são muito pobres e mal alimentadas. Elas fazem de tudo para sobreviver. Por isso, sua amoralidade é justificada". Matheus conta que os quase dois meses de gravação foram muito puxados. Apesar da série estar sendo filmada em película, o ritmo era de uma produção televisiva. Naquele momento, ainda não se sabia que o O Auto da Compadecida ia parar nos cinemas. "O filme foi um presente para todos nós", se empolga o ator. Matheus conta que no término das filmagens toda equipe se abraçou e chorou e muito. "A última cena filmada foi a que o João Grilo simula sua morte para o Chicó. Foi algo simbólico mesmo".Atualmente, Matheus Nachtergaele está em cartaz no Rio de Janeiro com a peça A Controvérsia, ao lado de Paulo José e Otávio Augusto. Escrita por Jean-Claude Carrière, o texto mostra um encontro realizado na cidade espanhola de Valladolid, em 1550, onde o clero se reuniu para decidir se os índios tinham ou não alma. O ator ainda não decidiu qual será sua próxima participação no cinema mas está estudando a proposta de trabalhar no filme de Fernando Meirelles, Cidade de Deus. Na televisão, seu próximo papel já está acertado. Matheus fará parte do elenco da minissérie Os Maias, que deve ser gravada em breve, com a direção de Luiz Fernando Carvalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.