Jim Carrey e Téa Leoni roubam para manter as aparências

Em 1977 a banda sueca Abba estava no auge, o democrata Jimmy Carter era o recém-empossado presidente dos Estados Unidos e o sonho da classe média americana consistia em uma casa nos subúrbios com piscina e jardim de deixar os vizinhos morrendo de inveja. Naquele ano foi lançada a primeira versão da comédia Fun With Dick and Jane, em português, Adivinha Quem Vem Para Roubar. A trama foi protagonizada pela estonteante ex-Barbarella Jane Fonda e pelo talentoso comediante com pinta de galã, George Segall. Quase três décadas depois, o grupo Abba está de volta às rádios, dessa vez para incrementar o último hit da ´disco queen´ Madonna na música Hung Up. O republicano George Bush ocupa a Casa Branca e o sonho americano continua sendo uma casa nos subúrbios com piscina e, quem sabe, um ofurô, além de uma horta orgânica de deixar os vizinhos morrendo de inveja. Esse é o cenário do lançamento do remake que estréia hoje e ganhou o título de As Loucuras de Dick and Jane. Dirigido por Dean Parisot, o filme gira em torno do casal Dick e Jane Harper, vividos por Jim Carrey e Téa Leoni. Ao ser promovido a vice-presidente de comunicação de uma poderosa empresa, a Globodyne, Dick convence a esposa a abandonar o emprego para cuidar do filho e do ninho confortável do casal. Mas por pouco tempo: a empresa está no centro de um escândalo financeiro e vai à falência, numa nítida referência aos escândalos que abalaram a economia americana na última década, deixando milhares de yuppies desempregados. O casal quebra junto e, além de driblar credores, convivem com um insano desejo de manter as aparências e não deixar a qualidade de vida cair. E, já que o mundo corporativo dá o primeiro exemplo de como furtar e se dar bem, o casal decide partir para o crime e garantir o sustento da família. As atrapalhadas tentativas de assalto rendem cenas hilariantes pois o casal descobre que roubar não é assim tão fácil. O ator Jim Carrey aparece menos careteiro, mas sempre expressivo, capaz de transformar qualquer gesto em piada. O ator funciona muito bem ao lado de Téa Leoni, que consegue ser engraçada sem perder a suavidade. Alec Baldwin também está no elenco, como o chefe cínico de Dick, numa participação impagável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.