Javier Bardem vive assassino e amante em filmes mais recentes

O ator espanhol Javier Bardem diz querepresentar um colombiano apaixonado e promíscuo em "O Amor NosTempos do Cólera" foi como tomar um banho purificador, depoisde fazer o papel de serial killer em "Onde os Fracos Não TêmVez" ("No Country for Old Men"). Pela primeira vez em sua carreira, Bardem, 38 anos, rodouconsecutivamente dois filmes que estão estreando nos EUA comuma semana apenas de intervalo: "Onde os Fracos Não Têm Vez",dos irmãos Ethan e Joel Coen, estréia nesta sexta-feira, e "OAmor nos Tempos do Cólera", de Mike Newell, chega aos cinemasem 16 de novembro. "Foi um personagem assustador", disse Bardem, falando deAnton Chigurh, um assassino misterioso que procura 2 milhões dedólares que desapareceram depois de dar errada uma transaçãocom drogas na fronteira americana. O filme é baseado no romance"No Country for Old Men" (2003), de Cormac McCarthy. "Pensei que, se eu fizesse aquele personagem, teria quefazer outra coisa depois que me fizesse mudar de clima", disseBardem, que em 2001 foi indicado para o Oscar de melhor atorpor seu papel em "Antes do Anoitecer". Pouco depois de concluir o filme que vem sendo aclamadopela crítica como o melhor trabalho dos irmãos Coen até agora,Bardem se transformou em Florentino Ariza, que, para suportar ador do amor não correspondido, passa meio século dormindo comcentenas de mulheres. "Depois de 'Onde os Fracos Não Têm Vez', você se abre, seliberta e abre seu coração para fazer esse personagem (Ariza),sendo que o outro (Chigurh) é insano", disse ele. "RepresentarAriza foi como tomar um banho e me purificar." Bardem, que vive em Madri, disse que leu o romance "O Amornos Tempos do Cólera", de Gabriel García Márquez, várias vezesquando jovem e que se apaixonou pela história a tal ponto quese esforçou muito para poder trabalhar no filme. O que o fascinou, disse, foi "a idéia de estar apaixonadopor tantos anos, ainda como se fosse o primeiro dia". "Por mais que Ariza envelheça, ele ainda está preso nos 14anos de idade, no primeiro momento em que vê sua amada. O corpodiz o contrário, mas o espírito é o mesmo -- é belo", disseBardem, que cresceu numa família de atores e cineastas. Depois de passar o ano todo de 2006 trabalhando e de terconcluído recentemente sua participação em "Vicky CristinaBarcelona", de Woody Allen, Bardem diz que vai procurar seupróximo papel com calma. "Vou devagar", disse ele. "É ótimo dar uma pequenaparada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.