Div
Div

Jason Reitman filma amor e amizade na tela do celular e computador

Com todo mundo conectado à internet, 'Homens, Mulheres & Filhos' reflete sobre como estão as relações humanas

Elaine Guerini, Especial para O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2014 | 03h00

TORONTO - Quando era adolescente, o cineasta Jason Reitman sempre parava na banca de jornal da esquina para ver fotos de mulheres nuas. “Para não chamar atenção, colocava um exemplar da revista Penthouse dentro da humorística Mad. Ficava olhando aquelas páginas fixamente, tentando memorizá-las.” Foram essas lembranças que o instigaram a gritar “ação!” no set de Homens, Mulheres & Filhos, uma radiografia do mundo moderno, no qual a internet e as redes sociais mudaram o comportamento, a comunicação e os relacionamentos humanos.

“Não há mais mistério ou fantasia, já que o adolescente pode matar qualquer tipo de curiosidade online. A ideia de que encontramos resposta para tudo na rede, inclusive para coisas que nunca quisemos saber, é um pouco assustadora”, disse o canadense de 37 anos. Um dos personagens no drama que acaba de chegar aos cinemas é Chris Truby (Tavis Tope), um jovem viciado em pornografia na internet – a ponto de não conseguir transar com uma garota de verdade (Olivia Crocicchia). “Como pai, tenho calafrios toda a vez em que a minha filha de 8 anos (Josephine Reitman, o bebê de ‘Juno’, rodado em 2007) pede um celular de presente”, afirmou ele, em entrevista concedida durante a 39.ª edição do Tiff, o Toronto International Film Festival.

A preocupação do diretor foi canalizada na personagem interpretada por Jennifer Garner, uma mãe superprotetora que controla tudo o que a filha (Kaitlyn Dever) faz no mundo virtual. De tão vigiada, a menina cria uma página com perfil falso para poder se expressar. As interferências da mãe quase chegam a atrapalhar o namoro da filha com um colega da escola (Ansel Elgort, de A Culpa É das Estrelas), ironicamente o único relacionamento saudável da trama – por ir além da superficialidade das relações na era digital.

“Não é por acaso que a maioria das cenas traz pessoas sozinhas encarando seus smartphones, tablets ou telas de computador”, contou o cineasta, que encontrou um jeito eficaz de mostrar a interação dos personagens com a tecnologia. A imagem com o que eles veem nas máquinas (seja webpage, post no Facebook ou texto de um torpedo) aparece sobreposta na tela. “Em vez de dar um close no personagem e outro no aparelho, preferi que o espectador visse as duas coisas ao mesmo tempo, o que permite acompanhar melhor as reações humanas.” Numa dessas cenas, um filho (o mesmo Ansel Elgort) sofre ao ver no Facebook uma foto da mãe, feliz com o novo namorado – após ter abandonado a família. Em outra, uma esposa entediada no casamento (Rosemarie DeWitt) ganha um brilho nos olhos ao decidir trair o marido (Adam Sandler), marcando encontro online.

“Por mais que seja o registro de uma época, não sinto a pressão de fazer um filme sobre a internet, da mesma forma que Juno não era sobre gravidez na adolescência e Obrigado por Fumar (2005) não era sobre cigarros. Minhas obras são calcadas nas pessoas, retratando, consequentemente, as circunstâncias em que elas vivem”, contou Reitman, indicado duas vezes para o Oscar de melhor diretor, por Juno e Amor Sem Escalas (2009). Com a história do homem obcecado em acumular milhas aéreas (George Clooney), ele também concorreu na categoria de melhor roteiro adaptado e de melhor filme (como produtor).

Homens, Mulheres & Filhos é o sexto longa de Reitman, que desta vez buscou inspiração no livro homônimo de um amigo, Chad Kultgen. “Conhecia o conteúdo da obra antes mesmo da publicação. Gosto da abordagem franca do escritor, o que procurei manter.” 

Lançado em 2011, o livro retrata os conflitos de grupo de pais e alunos do ensino médio na Califórnia diante do bombardeio de informação online. “Tanto Chad quanto eu fazemos as mesmas perguntas existenciais, feitas desde o início dos tempos. O que muda é o fato de o nosso olhar precisar passar pela internet, por uma exigência do momento em que vivemos”, disse o cineasta, filho do também diretor Ivan Reitman, mais lembrado por Os Caça-fantasmas (1984). “Continuo mostrando o meu trabalho ao meu pai, em busca de conselhos. Ele é a pessoa em quem mais confio nesse negócio.”

HOMENS, MULHERES & FILHOS

Direção. Jason Reitman 

Gênero: Comédia (EUA/2014, 119 min.). 16 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.