EFE
EFE

James Horner, autor da trilha de 'Titanic', morre em acidente de avião na Califórnia

Ele compôs para 'Avatar', 'Coração valente' e 'Uma mente brilhante'

EFE, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 09h10

James Horner, compositor de trilhas sonoras de grandes sucessos de Hollywood como Titanic e Avatar, morreu na segunda-feira, 22, aos 61 anos em um acidente de avião na Califórnia. Horner morreu na queda de um avião privado em Santa Bárbara. Rumores de sua morte surgiram durante a madrugada, após a confirmação de que a aeronave acidentada pertencia ao compositor.

Horner ganhou duas estatuetas do Oscar por Titanic (1997), dirigido por James Cameron: um pela canção My Heart Will Go On, interpretada pela canadense Celine Dion, e outro pela trilha sonora de filme dramático.

Horner também ganhou indicações pelas composições de Aliens: o Resgate, Apollo 13, Uma Mente Brilhante, Avatar, Coração Valente, Field of Dreams e Casa de Areia e Névoa, além da canção Somewhere Out There, do filme infantil Fievel - Um Conto Americano.

Entre as mais de 100 trilhas que compôs também estão sucessos como: A Máscara do Zorro, Lendas da Paixão, Gasparzinho: o Fantasminha Camarada, Jumanji e O Espetacular Homem-Aranha.

Nascido em Los Angeles em 1953, Horner começou a tocar piano aos 5 anos e se formou em Londres, no Royal College of Music, segundo uma biografia publicada no site "Imdb", especializado em cinema.

Na década de 1970, Horner retornou à Califórnia para continuar estudando música em duas universidades desse estado, até fazer doutorado em Teoria e Composição Musical na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA).

Após um tempo compondo trilhas sonoras para projetos estudantis chegou seu primeiro trabalho de alto perfil, Jornada nas Estrelas II - A Ira de Khan, em 1982. Depois disso, Horner passou a receber ofertas de diretores de cinema com cada vez mais renome.

Durante sua carreira, Horner trabalhou para George Lucas, Steven Spielberg, James Cameron, Oliver Stone e Ron Howard, entre outros.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.