Hopper Stone|Divulgação
Hopper Stone|Divulgação

Jack Black recria escritor R. L. Stine no filme ‘Goosebumps’

Filme traz os clássicos da literatura de terror juvenil para a vida real com ícone do humor de Hollywood

Pedro Antunes / CANCÚN, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2015 | 16h00

Era a noite de filmagem de uma das cenas finais de Goosebumps: Monstros e Arrepios – e das mais dramáticas. Três dos protagonistas, interpretados por Jack Black e os jovens Dylan Minnette Ryan Lee, se abraçam enquanto a câmera os filma por cima e sobe. Os ombros deles balançam, como se chorassem, mas Rob Letterman, diretor do longa, explica que na verdade ninguém chorava ali. Os três riam. Jack Black, o adulto do quadro, havia acabado de soltar um sonoro pum.

“Quem contou isso para vocês?”, pergunta o incrédulo Dylan, rapaz responsável por viver o mocinho Zach, que se muda para a cidade de Madison, na casa vizinha a do escritor D. L. Stine, responsável pela série de livros de terror juvenil Goosebumps. Ao descobrir que a revelação fora feita pelo próprio diretor do longa e que a tal tomada com a flatulência foi a escolhida para a versão final do longa atualmente em cartaz nos cinemas brasileiros, cai na gargalhada ao lado do companheiro de tela Ryan, intérprete de Champ, amigo de Zach. “Estávamos lá, juntos em cena, quando ouvimos o barulho. Fizemos força para não rir e estragar tudo”, conta o jovem ator de 18 anos. “Essa é a chave para se fazer uma cena emocional com Jack Black”, completa.

Aos 46 anos e pai de dois meninos, Thomas Jacob Black é mais infantil e brincalhão nos sets de filmagens do que os garotos com quem atua no mais recente longa. “Aprendemos com ele como ser profissional e se divertir com o trabalho”, conta Ryan. O companheiro Dylan faz coro ao elogio: “Ele é exatamente aquilo que você pensa dele. Faz seu trabalho ser mais fácil. É muito intenso e interessado no que você tem a dizer”.

Com muitas filmagens noturnas, Goosebumps deu a oportunidade aos rapazes, e à jovem Odeya Rush, que vive Hannah, a filha do personagem de Jack, de passarem algumas madrugadas ao lado do ator veterano, sempre acompanhado do seu violão. “Passávamos muito tempo juntos quando não estávamos filmando”, conta Ryan.

Jack dá vida a uma versão misteriosa do famoso escritor de literatura juvenil. Passa dias e noites trancafiado em casa, guardando sua coleção de livros. Descobre-se que cada livro da estante de Stine prende os monstros que habitam as histórias dos livros da série Goosebumps. Um incidente desencadeia uma fuga em massa e o recluso Stine é obrigado a se juntar à filha e aos dois rapazes para tentar recolocar os personagens de volta nos livros.

Black conheceu o verdadeiro Stine, atualmente com 72 anos, mas faz uma versão caricata e extravagante do autor que já vendeu mais de 400 milhões de cópias ao redor do mundo. O filme acaba por ser um terror para jovens, com mais aventura, ação e romance do que sustos, propriamente dito. Os personagens de Jack e Ryan são os responsáveis pelo lado mais humorístico da trama.

“Ser engraçado não é uma coisa que eu me forço a fazer. Não ando na rua pensando: ‘o que posso fazer para ser divertido?’”, diz Jack. “Meus filhos, por exemplo, às vezes me dizem: ‘Pai, você não é engraçado’.” Sobre brincadeira malcheirosa, Jack se defende: “É uma tradição minha. Algo que eu faço em todos os filmes”, diz. “Mas sempre faço isso em lugares abertos e com ventilação”, ele completa, com aquele sorriso clássico de Jack Black. “Afinal, eu sou um cavalheiro.”

 

* Repórter viajou a convite da distribuidora 

Mais conteúdo sobre:
Jack Black cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.