<i>Xuxa Gêmeas</i> impõe desafio à ´rainha dos baixinhos´

Xuxa segue sendo um fenômeno. Oscríticos dizem que a loira já era, mas sua aura permaneceintocada. No sábado, uma multidão postou-se na saída do ShoppingJardim Sul só para ver Xuxa passar, após a exibição de XuxaGêmeas, seu novo filme, que estréia nesta sexta em 300 salas detodo o Brasil, com o reforço de Ivete Sangalo e Murilo Rosa noElenco.Para ela, é importante o termômetro dopúblico. "Quero ver onde as pessoas riem, o que funciona e o quenão." Por quê? "Para aprimorar", diz. Xuxa Gêmeas vai chegar a3 milhões de espectadores, como sonharam alguns integrantes damesa, durante a coletiva realizada no próprio cinema? "Querosaber da satisfação do meu público. Nessa coisa de números eunão me intrometo. É especialidade deles" - eles, no caso, são oprodutor Diler Trindade, da Diler & Associados, e a Globo Filmes que liga sua marca ao produto. Seus filmes já fizeram mais de 25 milhões deespectadores e Lua de Cristal, de 1990, é um dos maioressucessos da retomada, com quase 5 milhões de espectadores. XuxaGêmeas propõe agora o que não deixa de ser um desafio para aapresentadora. Ela própria se define assim. Diz que não é atriz,que tem dificuldade para decorar diálogos e nem sonha em semeter na pele de outra pessoa. Mas, desta vez, Xuxa foipersuadida pelo diretor Jorge Fernando a fazer duas personagens,o que significa que ela, minimamente que seja, tem derepresentar, já que as gêmeas foram separadas na infância eagora se reencontram adultas. Uma chama-se Mel e é a Xuxaboazinha que você conhece. A outra é Elizabeth e é uma peste. Nosábado, Xuxa saiu do shopping diretamente para o carro daprodução, onde a esperava o repórter, para uma entrevistaexclusiva que começou ali e prosseguiu na sala VIP da Líder,enquanto ela esperava a liberação do jatinho que a levaria aoRio.Como foi liberar sua porção malvada, fazendo aElizabeth? Entrei em pânico. Na primeira vez que fui fazer aElizabeth, não sabia como agir. Onde botar a mão, como falar.Fazer a Mel, que é a irmã boa, foi fácil. Não precisei mudarnada. Emprestei coisas minhas a Mel e assumi coisas que eramdela, numa troca natural. Já o figurino da Elizabeth... Nada,dali, servia para mim. Tinha de fazer a metida, usar unhaspostiças, falar com uma voz que não era a minha. Sofri p?acaramba. Jorginho (o diretor Jorge Fernando) me obrigou a fazerlaboratório. Nunca tinha feito isso, para nenhum dos meus filmesanteriores. Mas para Gêmeas era preciso. Jorginho leu oroteiro, estudou detalhadamente cada personagem e discutiucomigo como queria que eu fizesse cada uma delas. Se houvermérito no meu trabalho é do Jorginho. Ele gravou um J no meucoração.E por que você entrou na dele? Para mostrar que saberepresentar? Mas eu não sei representar! Não sou atriz, não guardotexto, sou péssima para memorizar diálogos. E eu sofria demaiscada vez que tinha de entrar na pele da Elizabeth. A Maria Clara(Maria Clara Gueiros, que faz a secretária, Jennifer) dizia paraeu relaxar, que tinha de ser prazeroso, mas eu não tinha prazernenhum. Minha maior alegria, ao fazer a Elizabeth, foi chegar aoúltimo dia, quando o Jorginho disse que tínhamos acabado e eupude me despedir dela sem saudade.Como todo filme de Xuxa, este aqui é cheio de mensagens. E eu gosto muito das mensagens que Xuxa Gêmeas traz.Tem a personagem que é má, que só pensa em dinheiro e quersempre mais, e tem a outra que acredita nos sentimentos, nosamigos. Gosto muito de passar essas mensagens positivas, de quevale a pena acreditar no sonho e correr atrás dele. Acho que odinheiro é importante na vida de qualquer pessoa, mas não é eleque deve ditar nossas escolhas. Não é o fato de ter ou nãodinheiro, nem de morar na favela ou no palácio que vai fazer devocê uma pessoa melhor ou pior. Outra mensagem na qual acreditoé que as crianças não podem sofrer violência. Bater não resolvenada, não é educar. Temos de conversar, numa boa. Conversar, sim é educar.Patrícia Travassos, que co-escreveu o filme com Fláviode Souza, diz que "O Diabo Veste Prada" foi uma referência pararcriar Elizabeth.Mas a Patrícia não tinha visto o filme com Meryl Streepe nem eu vi, até hoje. Ela realmente havia lido o livro e achouque havia elementos comuns entre a Elizabeth, como dona doimpério gráfico O Dourado, e a Miranda de "O Diabo Veste Prada".Foi o Diler quem disse que o filme estava sendo feito, com aMeryl. A referência foi essa.Como você explica o fato de atravessar gerações? Só naGlobo, você completa 20 anos em 2006. As pessoas gostam da minha mensagem de acreditar nosonho, de ser contra as drogas. Vejo que meus primeirosbaixinhos cresceram e hoje são pais e mães de outros baixinhosque continuam ligados em mim. Esta fidelidade me impulsiona. Jáaprendi o que pode dar certo, mas ouço o que me dizem e, àsvezes, sou voto vencido. Já vi idéias que tinha e que foramrecusadas na Globo darem certo depois, com outras pessoas. Aídigo - viram só? Confesso que comecei a trabalhar com criançasna base do instinto, mas hoje leio sobre o assunto. Tenho umairmã com doutorado em pedagogia infantil e dois irmãospsicólogos. Minha formação também ajuda. Cresci numa cidadepequena, fazendo brincadeira de menino, de menina, sempre de péno chão. Acho que não existe brincadeira que eu não conheça. Nãotrato as crianças como se fosse superior. Se eu não entendo umacoisa, sei que elas também não vão entender. Não falo com elastatibitate, porque sei que não gostam. Quando entro numa disputa quero ganhar e elas sabem disso. Tenho 43 anos e ainda sou umaigual. Quando não for mais, eu paro. Xuxa Gêmeas (Brasil/2006, 81 min.) - Aventura. Dir. JorgeFernando. Livre. Cotação: Regular

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.