Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Isabelle Huppert não assiste a seus filmes antigos, mas vai falar sobre eles

Festival Internacional de Cinema de Berlim homenageou a atriz

Thomas Rogers, The New York Times

18 de fevereiro de 2022 | 10h00

BERLIM - Isabelle Huppert não gosta de nostalgia. Em sua carreira de cinco décadas, a atriz francesa de 68 anos apareceu em mais de 120 filmes, incluindo colaborações recorrentes com alguns dos cineastas mais importantes do cinema europeu do pós-guerra. Sua capacidade de canalizar vulnerabilidade frágil, força intelectual e arrogância gélida (muitas vezes simultaneamente) em filmes como “A Professora de Piano”, de Michael Haneke, e “Elle”, de Paul Verhoeven, fizeram dela uma das poucas verdadeiras super estrelas do cinema de arte internacional.

O Festival Internacional de Cinema de Berlim a concederia um Urso de Ouro honorário pelo conjunto da obra na terça-feira, que Huppert não pôde aceitar pessoalmente após testar positivo para o coronavírus, de acordo com um comunicado de imprensa do festival.

O festival ainda celebrará sua carreira exibindo sete de seus filmes, embora Huppert tenha dito em uma recente entrevista por telefone que ela tinha pouco interesse em olhar para trás. Ela explicou que o prêmio era "tanto sobre o presente e o futuro quanto sobre o passado". Ela acrescentou que raramente assistia a seus filmes antigos: “Não tenho tempo para ver filmes novos. Por que eu deveria perder tempo assistindo aos meus filmes antigos?”

A agenda de Huppert é quase comicamente cheia. Ela tem um filme (“Promises”) atualmente nos cinemas franceses e mais três programados para estrear nos próximos meses. Outro, “About Joan”, será exibido no Festival de Cinema de Berlim deste ano. Ela está filmando “The Union Lady” com o diretor francês Jean-Paul Salomé, e este ano, Huppert também está saindo em turnê com duas peças. Ela também revelou que apareceria no próximo filme de François Ozon.

No entanto, Huppert disse que viu o Urso de Ouro “como um reconhecimento dos diretores com quem trabalhei”. Com isso em mente, a atriz compartilhou insights sobre suas experiências trabalhando nos filmes que estão sendo exibidos na retrospectiva de Berlim. Seguem trechos editados dessa conversa.

‘Um Amor Tão Fácil’ (1977)

Neste drama de ritmo lento dirigido por Claude Goretta, Huppert interpreta Pomme, uma tímida funcionária de um salão de beleza que embarca em um romance com um estudante universitário.

Eu já havia feito filmes antes, mas esse foi o filme que me definiu como uma jovem atriz, porque era muito sobre interioridade. Foi um ótimo papel como começo de carreira – um desses papéis que marca você. Ela é uma jovem que não fala muito, que tem uma relação com esse intelectual. Foi muito dramático e emocional, mas não jogou com a sedução e a fisicalidade que normalmente está ligada aos jovens.

Eu nunca interpretei personagens suaves. Eles sempre foram muito poderosos e muito intensos. Eles podiam ser silenciosos, mas nunca eram suaves. Ela se expressa mais com seu visual, com seus olhos e sua atitude física do que com palavras. O cinema é o meio perfeito para revelar o não dito, e “Um Amor Tão Fácil” é realmente sobre isso.

‘Salve-se Quem Puder’ (1980)

Neste clássico francês da nouvelle vague de Jean-Luc Godard, Huppert retrata uma prostituta navegando nas fantasias absurdas de seus clientes.

Meu personagem mostrava uma prostituta de maneira muito incomum: eu realmente não me parecia com o que você esperaria, e havia uma poesia nisso. O filme é sobre dinheiro e corpos, não realmente sobre prostituição, e havia muito pouca sexualidade mostrada diante da câmera.

Godard tem uma maneira especial de trabalhar: não havia roteiro e havia muito poucas pessoas, às vezes apenas imagens ou música. Fomos a um shopping e compramos nossos figurinos. Ia contra todos os princípios de organização e preparação. Não fiquei intimidada com Godard. Nunca fiquei intimidada com ninguém, pelo menos com nenhum diretor. Se você fica intimidado, as coisas se tornam impossíveis. Sempre fui confiante.

Gosto do que Godard disse uma vez sobre mim: “É visível quando ela está pensando”. Esse é provavelmente um dos melhores elogios que recebi na minha vida.

‘Mulheres Diabólicas’ (1995)

Huppert interpreta Jeanne, uma funcionária dos correios de uma pequena cidade com ódio de uma família rica, neste filme de Claude Chabrol.

Sempre trabalhei com diretores nada sentimentais que não fazem nenhuma tentativa de tornar as pessoas melhores do que são, e essa era realmente a especialidade de Chabrol. Estávamos exatamente em sintonia, como na música. Ele me perguntou qual papel eu queria, e eu disse a garota dos correios. Comparada com alguns dos personagens anteriores que eu havia interpretado, ela era muito falante. Ela mata com palavras e fala e fala e fala.

Não penso muito antes de atuar. Eu apenas atuo. É instintivo e muito intuitivo, e certamente não tenho discussões profundas com o diretor de antemão. A relação entre um diretor e uma atriz é tão poderosa e fascinante. Por que um diretor quer filmar você? Por que ele está interessado no que você é, seu rosto, seu corpo, sua maneira de se movimentar ou falar? É inconsciente e consciente, é uma linguagem invisível e muda, mas é uma linguagem. É o que eu mais aprecio e amo no cinema.

‘A Professora de Piano’ (2001)

Dirigido por Michael Haneke, Huppert interpreta uma professora de piano vienense que tem uma relação sadomasoquista com um aluno.

Contra todas as probabilidades, é muito fácil trabalhar com Haneke. Ele é muito pragmático e concreto. Mesmo nas cenas mais ousadas, nas cenas mais incríveis, é sobre como enquadrar, é técnico. Algumas cenas vão longe, mas Haneke é mestre em fazer o público pensar que vê coisas que ele não mostra. Sua direção, sua mise-en-scène é muito protetora para os atores. Como atriz, nunca me senti exposta.

Eu não acho que quando você faz um filme você pensa: “Oh meu Deus, eu vou fazer um filme provocativo”. Claro, também é um jogo, para ir até onde você quiser, para mostrar coisas que as pessoas têm dificuldade em assistir. No final das contas, é uma história de amor muito estranha, mas também é uma exploração do mistério do amor e de como essa mulher quer impor sua própria visão do amor.

‘8 Mulheres’ (2002)

No musical de mistério e assassinato de François Ozon com um elenco de estrelas, incluindo Catherine Deneuve e Fanny Ardant, Huppert interpreta Augustine, uma mulher tensa com um segredo.

Essa foi a minha primeira vez trabalhando com François Ozon, e “8 Mulheres” foi, claro, uma comédia: ele fez todos os personagens cantarem e dançarem e serem muito engraçados, quase como caricaturas deles mesmos – especialmente meu personagem. No set, não havia nenhuma das coisas que as pessoas pensavam que aconteceria com essas oito mulheres juntas – nenhuma competição, apenas uma grande amizade e o prazer de estarmos juntas.

Não sou especialmente interessada em ser engraçada – há comédias e dramas, e obviamente não vou dizer que alguns filmes são dramas se forem realmente comédias, mas todos esses filmes têm momentos muito engraçados. Talvez uma das minhas contribuições seja atuar o máximo que puder com certa distância, o que abre espaço não necessariamente para uma risada, mas para algo pouco sentimental.

‘O Que Está Por Vir” (2016)

Huppert interpreta uma professora de filosofia lidando com a infidelidade de seu marido e a saúde em declínio de sua mãe neste drama sutil de Mia Hansen-Løve.

Acho que esse é um dos melhores filmes da Mia. Estou sempre andando neste filme, porque é uma mulher que não para, aconteça o que acontecer com ela, mesmo que seja autodestrutivo, ela pode cair, mas ela continua. De todos os diretores sobre os quais falei, Mia é provavelmente a que mais dirigiu. Ela foi muito específica em sua direção, e o que ela disse foi muito sutil, muito preciso. Eu geralmente não gosto quando os diretores me dizem muitas coisas. Michael Haneke, Chabrol, Verhoeven, eles nunca me disseram nada, nem uma palavra. Eu não tenho orgulho em dizer isso, é apenas o que aconteceu.

Para os espectadores, posso imaginar que esse papel parece um pouco mais próximo [do meu eu fora da tela] do que algo como “A Professora de Piano”. Certamente em um sentido geográfico é. Não sou austríaca, nem professora de piano. Mas mesmo quando você está interpretando alguém aparentemente mais próximo de quem você é como pessoa, ainda é uma ficção, ainda tem que passar pelo processo de invenção do personagem.

‘Elle’ (2016)

Neste provocante thriller erótico de Paul Verhoeven, Huppert interpreta uma mulher que busca uma forma única de vingança depois de ser estuprada em sua casa.

Minha personagem tem uma luta a vencer, mas ela decidiu vencê-la sozinha, sem a ajuda de autoridades, da polícia, sem ajuda psicológica. A maneira como foi filmado me deu uma liberdade incrível. Você pode ser engraçada, você pode ser dramática, você também pode manter uma distância de seu personagem, o que é importante novamente, nunca ser sentimental, e isso te dá uma liberdade extrema quando você faz um personagem com um certo tipo de insolência. É um verdadeiro prazer poder ser tão insolente assim. Você ganha força.

É engraçado fazer um filme no fio da navalha. Sabíamos que estávamos provocando as pessoas, o que foi muito divertido. Não tive momentos de dúvida. O filme é muito claramente uma história de vingança, e a vingança é cumprida. O cara morre no final. Acho que se eu fosse um pouco sentimental quando o cara morresse, então daria errado. Isso foi muito importante. É um filme que exigia frieza, essa era a única moralidade que precisava ser mantida – frieza, incluindo minha própria frieza como atriz. É o que a professora de piano diz ao seu jovem aluno: A frieza fala com você, porque há uma moralidade na frieza. /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.