Irreverência de "South Park" chega aos cinemas

O título já diz tudo: South Park - Maior, Melhor e Sem Cortes. Os irreverentes meninos do desenho da tevê chegam agora às telas do cinema proferindo o maior número de palavrões por centímetro de rolo de filme. Se você tem mais de 14 anos, não perca a oportunidade de conferir as aventuras de Stan, Kyle, Kenny e Cartman no longa-metragem que teve até uma música concorrendo ao Oscar desse ano.South Park agradou ao público desde que foi lançado. Existem vários produtos que levam a marca da série. No Brasil, o desenho é exibido na MTV, no Multishow e Locomotion, esses dois últimos canais pagos. As situações bizarras e surrealistas dão o tom de cada episódio. Para quem desconhece o conteúdo, é importante conhecer algumas das características da série que a fazem tão cultuada. Kenny, o personagem que vive com o rosto coberto, morre sempre em todas as histórias. Stan tem a incontrolável mania de vomitar toda vez que fica nervoso. Além disso, os garotos não sentem o menor constrangimento de se insultar mutuamente e, principalmente, insultar os outros.A história de South Park - Maior, Melhor e Sem Cortes começa quando Stan, Kyle, Kenny e Cartman conseguem entrar no cinema para assistir a um filme proibido para menores, repleto de palavrões e expressões de baixo calão. O longa-metragem vira cult entre os pequenos que acham o máximo repetir as frases que viram no cinema. Assustados com a atitude dos filhos, pais e professores decidem tomar uma decisão drástica. Após uma emboscada, os dois atores principais do filme são presos e posteriormente condenados à morte. Como são canadenses, a condenação vira motivo para iniciar uma guerra entre o Canadá e os EUA.Trey Parker e Matt Stone, realizadores de South Park, não poupam ninguém: judeus, negros, gays, aleijados e canadenses são motivos de piadas a todo momento. Até os irmãos Baldwin não escapam da artilharia. Eles são dizimados pelos canadenses após uma ataque ofensivo do Canadá. Mas o personagem mais ridicularizado do filme é Saddam Hussein. No filme, ele já está morto e vive no inferno. O mais absurdo é que ele mantém um caso com o próprio Diabo, que sofre com o gênio ruim de Saddam.A música Blame Canadá ("Culpe o Canadá") foi indicada ao Oscar de melhor canção desse ano. Não levou o prêmio mas com certeza é uma das melhores do filme. O espectador que não gosta de histórias que são interrompidas por inúmeras músicas não deve se preocupar. Mesmo nas canções, os palavrões não são deixados de lado e as piadas continuam.Todos sabem que South Park não é politicamente correto. Stone e Parker não hesitam em criticar o comportamento dos próprios americanos e para isso abusam dos palavrões. No Brasil, a censura foi determinada em 14 anos graças à pressão da distribuidora. O filme recebeu censura livre de algum censor desavisado que acreditou que, por ser desenho, seria destinado a público infantil. O que daria uma boa piada para algum episódio da série.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.