Irmãs amantes de rei Henrique VIII estão em 'A Outra'

Natalie Portman e Scarlett Johansson interpretam Anna e Maria Bolena no drama de Justin Chadwick

Neusa Barbosa, da Reuters,

08 de junho de 2012 | 10h50

A rivalidade entre duas irmãs, Anna e Maria Bolena, pelo amor do rei inglês Henrique VIII é o centro do drama histórico-romântico A Outra, que estréia em circuito nacional nesta sexta-feira, 13. O longa-metragem marca a estréia na direção de cinema do ex-ator e diretor de seriados de TV britânico Justin Chadwick.  Veja também:Trailer de 'A Outra'  A mais famosa entre as duas irmãs até agora foi Anna Bolena (Natalie Portman, de Um Beijo Roubado), que levou Henrique VIII (Eric Bana, de Munique) a se divorciar de sua primeira mulher em pleno século XVI, rompendo com a Igreja Católica e criando uma nova religião na Inglaterra, o anglicanismo. Anna, inclusive, foi protagonista de vários filmes, como Anna dos Mil Dias (1969), de Charles Jarrott, em que foi interpretada pela canadense Geneviève Bujold. No filme de Chadwick, a novidade está em apresentar mais detalhes sobre a outra irmã Bolena, Maria (Scarlett Johansson, de Scoop - O Grande Furo). Baseado no livro A Irmã de Anna Bolena, de Philippa Gregory, o roteiro de Peter Morgan conta como Maria, que já era casada, atraiu a paixão do rei, numa visita feita à casa de seus pais. A visita, na verdade, fora orquestrada pelo poderoso tio materno das moças, o duque de Norfolk (David Morrissey), justamente para apresentar ao rei a outra irmã, Anna. O tio havia convencido o ambicioso pai da moça (Mark Rylance) de que ela poderia se tornar amante de um rei que andava insatisfeito com sua rainha, a espanhola Catarina de Aragão. Isto porque Catarina não conseguia dar-lhe um filho homem para ser seu herdeiro. O rei sofre um acidente a cavalo por causa de Anna, o que o leva a descobrir os encantos de Maria, que cuida dele enquanto descansa na casa de seus pais. Depois disso, Henrique VIII não sossega enquanto não leva as duas para serem amas na corte, a serviço da rainha, afastando também o marido de Maria para seduzi-la. O que consegue. Transformada em amante oficial, com vantagens no palácio, Maria tem uma gravidez de risco, o que a obriga a permanecer deitada. Nesse período, sua irmã aproveita para se aproximar do rei, conquistando-o para ela. A rivalidade acaba trazendo consequências trágicas para toda a família Bolena, inclusive o tio - todos foram executados por traição e outros crimes, inclusive Anna, que fora rainha por mil dias e dera à luz uma futura e poderosa soberana inglesa, Elizabeth I. Apenas Maria sobreviveu mas, até o livro de Gregory, tinha ficado no anonimato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.