Irmãos Mainardi estréiam "Mater Dei" em SP

Brasileiro tem algum problema com humor negro que ninguém explica. Apesar de piadas de mau gosto e malícias maledicentes não serem nada estranhas para ele, não entende humor negro. Fica ?chocado?. O que fazem o escritor Diogo Mainardi e seu irmão cineasta Vinicius Mainardi, cujo novo filme estréia nesta quinta-feira, Mater Dei, é humor negro ? usado para a sátira social ou, mais explicitamente, para falar mal do Brasil. Eis mais um motivo para o brasileiro ficar ?chocado?. Não que os irmãos Mainardi queiram chocar, pura e simplesmente. Eles querem, sinceramente, é que os brasileiros que tenham espírito crítico ? uma minoria, e bota minoria nisso ? se divirtam com o filme. E com a maneira como muitos outros espectadores ficarão ?chocados? com ele.O tema, ironicamente, é atual e popular: a corrupção nacional. Nesse aspecto, o filme quer ser ?comercial?, ou seja, quer chegar ao público. Seus atores ? Carolina Ferraz, Gabriel Nunes Braga, Celso Frateschi, Fernando Alves Pinto ? são caras conhecidas de quem vê telenovela. Mas propõe novo tipo de comercialização para o cinema brasileiro. Não usou lei de incentivo nenhuma. Quis tirar o máximo do orçamento curto, cerca de R$ 600 mil, divididos entre os irmãos, o empresário João Paulo Diniz e a produtora Casablanca. Foi feito em digital, com produção simples, linguagem direta e duração de 83 minutos. E inclui todas essas críticas na própria história que é contada.Os protagonistas são dois irmãos, chamados exatamente Diogo e Vini, que querem levantar dinheiro para filmar uma adaptação de Pai contra Mãe, o conto de Machado de Assis que mais claramente trata da escravidão. Vão a um empreiteiro que é inimigo de um juiz acusado de desviar dinheiro do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Se a referência a Lalau é direta, outras não faltam: Diogo conta a história da inimizade entre os dois poderosos enquanto dirige o carro através do Túnel Ayrton Senna. A personagem de Carolina Ferraz, Maria, é mulher do empreiteiro. Todos ? cineastas, poderosos e quaisquer outros participantes do filme, salvo Maria ? são corruptos.Empreiteiro e juiz têm um ajuste de contas. De cada lado foram mortos, dos modos mais cruéis, uma multidão de familiares e empregados. Mas o juiz tem o ?saldo? de um morto e, para estabelecer a paz, cobra mais uma alma, a de um bebê, e o empreiteiro tem de engravidar Maria e entregar o recém-nascido ao inimigo. O roteiro de Diogo Mainardi ecoa sua literatura, ficções como O Polígono das Secas e Contra o Brasil. Só que desta vez a história não se passa no Nordeste ou entre os índios, mas na elite paulistana. Tal como dois clãs dos tempos do cangaço, tudo é resolvido pela força entre eles. Na cidade que se pretende moderna e cosmopolita, a mentalidade escravocrata ainda dá o tom, e sua partitura se chama corrupção.Algumas frases e cenas são hilariantes. O catolicismo, tão afinado historicamente com a escravidão, é outro alvo de gozação. O ?sacrifício da carne para o bem comum? é a justificativa para a entrega do bebê. Os cineastas brasileiros apanham (literal e figuradamente) o tempo inteiro, cenas de sexo são intercaladas ?sem mais nem menos? tal como em seus filmes, e é inesquecível a cena final com Tom Zé cantando Made in Brazil. Em outro trecho, um empresário recusa investir no filme da dupla porque ?só tem personagens negativos?. A narrativa não é mais tão ?sketchy? como no filme anterior, 16.060, e Vinicius Mainardi filma trechos de São Paulo, apesar de tudo, com uma plasticidade realista que o cinema nacional raramente viu.O filme foi feito de modo meio tosco, mas propositalmente, embora o ?timing? das falas pudesse ser mais ajustado e os ?closes? menos numerosos ou demorados. Assim, poderia ser ainda mais engraçado e tenso. Lembra Cronicamente Inviável, de Sergio Bianchi, outro filme em que, num esquematismo deliberado, todo brasileiro é podre. A idéia dos irmãos Mainardi, no entanto, é adotar um tom ironicamente sereno como o de um Jonathan Swift propondo, em panfleto que escandalizou a Irlanda do século 18, matar a fome do país com o sacrifício de criancinhas. Como artefato, poderia ser mais bem-acabado. Mas, como míssil, não poderia ter alvos mais certeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.