<i>Premonition</i>, o novo e confuso filme de Sandra Bullock

Sandra Bullock já viajou no tempo em A Casa do Lago, lançado no ano passado. Com Premonition, a sensação que o espectador tem é de déjà vu, de acordo com a revista especializada em cinema Hollywood Reporter. Esse suspense confuso e pesado, que estreou neste mês nos Estados Unidos, gira em torno de uma esposa e mãe suburbana que certo dia é avisada de que seu marido morreu em um terrível desastre automobilístico, mas que acorda no dia seguinte e o encontra vivo e muito bem. Isso, porém, é apenas o começo deste filme, uma espécie de Amnésia que se torna mais confuso a cada momento que passa, enquanto a traumatizada personagem principal representada por Sandra procura sobreviver a uma semana infernal. E, se ela tem dificuldade em achar o sentido de tudo o que passa, imagine só como o público vai se sentir. À primeira vista, Linda Hanson (Sandra) parece ser uma daquelas mulheres que têm tudo: um marido bonito e atencioso (Julian McMahon, do seriado Nip/Tuck), uma bela casa e duas filhas lindas, até o dia em que fatos perturbadores a obrigam a enxergar mais além de sua vidinha confortável. A teoria até parece viável, mas a mecânica que a leva a esse ponto é tremendamente confusa. O marido de Linda está realmente morto, ou o que ela ouviu foi apenas um aviso telepático? Ela está enlouquecendo, ou já enlouqueceu? E como sua filha mais velha ganhou todas aquelas cicatrizes feias no rosto? Enquanto isso - por razões que apenas o roteirista Bill Kelly e o diretor alemão Mennan Yapo parecem entender - Linda acorda em diferentes dias não consecutivos da mesma semana, e, durante suas poucas e preciosas horas de lucidez, tenta reconstruir os fatos num calendário rabiscado às pressas. O resultado é que a atriz normalmente simpática, confrontada com problemas gritantes de continuidade e das motivações incompreensíveis de sua personagem, acaba tendo uma atuação desagradavelmente confusa, levando o espectador a ter poucas razões para importar-se com a situação esdrúxula em que se encontra essa dona-de-casa desesperada. A edição final deixa a atuação de Julian McMahon igualmente pouco convincente, e o resto do elenco, que inclui os ótimos Kate Nelligan e Peter Stormare, não tem oportunidades para exercer seu impacto usual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.