<i>O Bom Pastor</i>, de Robert De Niro, discute bastidores da CIA

Em O Bom Pastor, segundo filme de Robert De Niro como diretor, ele mostra-se afinado com o universo violento e sombrio cultivado por Martin Scorsese, de quem tantas vezes foi ator fetiche, como em Táxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980). Ambicioso de saída, O Bom Pastor, que estréia nesta sexta-feira, 16, propõe-se nada mais nada menos do que a expor o funcionamento da CIA, a toda poderosa agência de informação e espionagem norte-americana, fundada em 1947. De Niro, que estreou como diretor em Desafio no Bronx (1993), entra nesse mundo furtivo e poderoso através da figura de Edward Wilson (Matt Damon), brilhante aluno da universidade de Yale. Apaixonado por poesia, Wilson troca a literatura pelo trabalho no serviço secreto. Atraído a essa profissão por patriotismo, Wilson começa atuando na Europa ainda durante a 2.ª Guerra. De volta aos EUA, passa a comandar o serviço de contra inteligência da CIA, sempre envolvido em episódios políticos cruciais na história de seu país - o mais dramático, a crise na Baía dos Porcos, em Cuba, durante o governo John Kennedy e que por pouco não causou a 3.ª Guerra Mundial, em 1961. Elenco estelar Mantendo sempre um tom sóbrio, coerente com a gravidade de seu tema, o filme evolui apoiado num roteiro sólido (de Eric Roth) e numa excelente direção de atores. O elenco é verdadeiramente estelar, integrado por William Hurt, Angelina Jolie, Billy Crudup, Alec Baldwin, Michael Gambon, Joe Pesci, John Turturro, além do próprio De Niro, entre outros. No último Festival de Berlim, em fevereiro passado, esse elenco venceu o Urso de Prata de melhor contribuição artística. Na última premiação do Oscar, o filme não teve a mesma sorte. Indicado apenas à estatueta de direção de arte, não recebeu nenhum prêmio. Qualquer semelhança do roteiro do filme com a realidade não é mera coincidência. Baseia-se na vida do agente James Jesus Angleton, que também estudou em Yale, amava poesia, dirigiu o Escritório de Serviços Estratégicos na 2.ª Guerra na Europa, bem como a contra-inteligência da CIA de 1954 a 1974.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.