<i>O Amor nos Tempos do Cólera</i> é rodado na Colômbia

O elenco é internacional, o diretor é inglês, o diretor de fotografia é brasileiro e o autor do romance que inspirou o filme é o colombiano Gabriel García Márquez. A transposição cinematográfica de O Amor nos Tempos do Cólera, que estréia nos cinemas do hemisfério norte no fim do ano, está tomando forma em Cartagena de las Indias, na Colômbia, pátria de Gabo. O desafio, segundo o produtor Scott Steindorff, é tornar plausível para o público norte-americano, viciado em comédias românticas, uma história de amor em que, como nota o jornal Los Angeles Times em longo artigo, "os protagonistas têm mais de 30 anos e não se chamam Angelina Jolie e Brad Pitt". "Sou chamado de louco. Segundo os critérios hollywoodianos, não me comporto como uma pessoa normal", disse Steindorff. Em vez de se ater aos cânones seguros de Los Angeles, o produtor decidiu rodar o filme num país marcado pela guerra civil e se rodear de artistas de todos os cantos do planeta: o diretor Mike Newell (o mesmo de Quatro Casamentos e um Funeral) é inglês, Alfonso Beato (o diretor de fotografia que também trabalhou no filme indicado ao Oscar A Rainha) é brasileiro, enquanto o roteirista, Ronald Harwood, é sul-africano. Entre os atores do filme produzido pela norte-americana New Line, além da italiana Giovanna Mezzogiorno, está a brasileira Fernanda Montenegro, que fará a mãe de Florentino Ariza, o protagonista, o colombiano John Leguizamo (o doutor Victor Clemente de Plantão Médico), a mexicana Laura Harring (de Cidade dos Sonhos), o espanhol Javier Bardem e apenas dois norte-americanos, Benjamin Bratt e Liev Schreiber. O elenco é enorme e, além de 6 mil figurantes, foram chamados estrelas das Américas Central e do Sul, como Catalina Sandino Moreno (a protagonista de Maria Cheia de Graça, pelo qual foi indicada ao Oscar), Claudia Talancon (de Fast Food Nation) e Angie Cepeda (de Love for Rent). O livro Nas palavras do jornalista de Los Angeles Reed Johnson, o romance de Márquez é "uma ode à fidelidade espiritual e ao sexo septuagenário" e o protagonista, Florentino Ariza (interpretado por Bardem), é "uma espécie de Dante tropical". No livro publicado em 1985, o escritor colombiano conta a história de um amor paciente, infinito (que durou exatamente 53 anos, sete meses e 11 dias) e terminou de forma infeliz. É a história de Florentino, poeta e proprietário da Companhia Fluvial do Caribe, que se apaixona por Fermina Daza (que será interpretada por Giovanna Mezzogiorno), que acaba se casando com outro (Benjamin Bratt). O livro é a crônica de uma longa espera, de um desejo que, ao invés de perder força, apenas aumenta com o passar do tempo. "Fizemos o possível para nos mantermos fiéis ao livro e por isso decidimos filmar em Cartagena, onde a história é ambientada", disse o produtor. García Márquez, que afirmou no passado ter escrito o livro inspirado na história de amor vivida por seus pais, e a princípio se recusara a ceder os direitos do romance, acabou liberando a produção com a exigência de poder de veto sobre o produto final. "Mas ele mesmo nos aconselhou a não ficar tão presos ao romance. Ele nos encorajou a tomar certa distância para criar algo autônomo, mas mantendo certa fidelidade. A fidelidade, como se aprende neste filme, é sempre relativa", conclui Steindorff.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.