Fox Film
Fox Film

Inspirados em 'Star Wars', cientistas criam pele artificial capaz de ter sensações

Conceito foi inspirado em uma cena na qual o personagem Luke Skywalker perde a mão direita e ela é substituída por uma robótica

Joseph Campbell, Reuters

05 de agosto de 2020 | 10h39

Pesquisadores de Cingapura desenvolveram uma “pele eletrônica” capaz de recriar uma sensação de tato, em inovação que eles esperam permitir que pessoas com membros protéticos detectem objetos, além de sentir textura ou até temperatura e dor.

O dispositivo, chamado ACES, ou Asynchronous Coded Electronic Skin, é composto por 100 pequenos sensores e tem cerca de 1 cm2 de tamanho.

Os pesquisadores da Universidade Nacional de Cingapura dizem que ele pode processar informações mais rapidamente que o sistema nervoso humano, é capaz de reconhecer de 20 a 30 texturas diferentes e pode ler cartas em braille com mais de 90% de precisão.

“Os humanos precisam deslizar para sentir a textura, mas neste caso a pele, com apenas um toque, é capaz de detectar texturas de rugosidade diferente”, disse o líder da equipe de pesquisa Benjamin Tee, acrescentando que os algoritmos de IA permitem que o dispositivo aprenda rapidamente.

Uma demonstração mostrou que o dispositivo pode detectar que uma bola mole era macia e determinar que uma bola de plástico sólida era dura.

“Quando você perde o sentido do tato, fica essencialmente entorpecido... e os usuários de próteses enfrentam esse problema”, disse Tee.

Ele afirmou que o conceito foi inspirado em uma cena da trilogia de filmes Star Wars, na qual o personagem Luke Skywalker perde a mão direita e ela é substituída por uma robótica, aparentemente capaz de experimentar sensações de toque novamente.

A tecnologia ainda está em estágio experimental, mas houve “um tremendo interesse”, especialmente da comunidade médica, acrescentou Tee.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Star Warscinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.