Inglês abre maratona de cinema no Rio

Em sessão especial para convidados, Essência da Paixão dá a partida nesta quinta-feira à maratona do Festival do Rio BR. O diretor do filme, o inglês Terence Davies, estará presente. Também estão confirmadas as presenças de Gillo Pontecorvo, da Batalha de Argel, e John Waters, que traz seu mais recente filme Cecil B. Demented. A partir de sexta, o festival entra em programação aberta com mais de 400 filmes em 30 salas na cidade, e também na Praia de Copacabana.Os títulos selecionados pelos diretores do evento trazem à discussão as novas questões do cinema mundial: a invasão do cinema latino no mercado americano, as produções em tecnologia digital, a profusão do mercado europeu, principalmente o britânico, e as ótimas surpresas vindas do Oriente. Com o prêmio oferecido pela BR Distribuidora, a Première Brasil, mostra de lançamentos nacionais, muda de cara e os documentários ganham destaque no panorama cinematográfico brasileiro.Depois de quatro meses de reformas, orçadas em mais de R$1 milhão, o tradicional cinema Odeon, no centro da cidade, está preparado para receber todas as celebridades. Para a noite de estréia, é mesmo Terence Davies quem deve brilhar. Seu filme é parte da mostra Foco UK, criada para apresentar ao público brasileiro as produções britânicas. Cineastas de renome como Stephen Frears, no festival com Alta Fidelidade, Mike Leigh, com Topsy Turvy, e Ken Loach, que ganhou uma seleção particular, estão acompanhados dos novos cineastas como Stephen Daldry e Nichola Bruce.A diretora da mostra, Ilda Santiago, explica que é uma tradição dos festivais do Estação eleger um país para apresentar ao público brasileiro e deixar o espectador atualizado com a produção mundial. "Observamos as novas tendências e o cinema britânico vem mostrando um crescimento muito grande nos últimos 15 anos". Até a academia americana se rendeu ao Beleza Americana, do inglês Sam Mendes, e ao musical Topsy Turvy, que levou duas estatuetas este ano. A produção cinematográfica do Reino Unido também estará em debate nos seminários. Eles tentarão mostrar aos produtores nacionais como manter uma dinânima intensa da indústria local, apoiada ainda em subsídios e na atuação da TV. A relação da televisão e cinema é foco de outros seminários. Ilda chama a atenção para o crescimento do cinema a partir dos programas de TV específicos sobre a indústria cinematográfica e as produções em película. "A Espanha nos últimos anos ganhou muito com a entrada do Canal Plus, da França, no mercado do país", analisa.Os temas em debates espelham uma outra tendência muito benéfica ao cinema brasileiro: a invasão latino-americana no mercado dos Estados Unidos. Dos latinos, estarão no Rio o cineasta argentino Gustavo Corrado, estreando o seu O Armário, e Marcelo Piñeyro e Oscar Krammer, diretores da nova sensação das bilheterias na Argentina, Plata Quemada. O Encontro do Fundo do Financiamento para Filmes Ibero-Americanos, o Ibermedia, vai acontecer durante o Rio BR e se apresenta como uma das possíveis soluções para o custeio das produções latinas de baixo custo. Como uma forte estratégia de propaganda, os novos diretores brasileiros estarão mostrando seus trabalhos aos distribuidores internacionais presentes aos seminários. Despontando no panorama mundial, o cinema latino ganha uma mostra específica, que inclui os premiados Pantaleón e as Visitadoras, filme peruano vencedor de Gramado, e Amores Perros, do México, prêmio da crítica em Cannes.O cinema do Oriente ganha um enfoque especial pelos ótimos resultados apresentados nos últimos festivais internacionais. O grupo Estação comprou os iranianos Quadro Negro, de Samira Makhmalbaf, e A Cor do Paraíso, de Majid Majid, que entram em circuito depois do festival. Além do premiadíssimo Eureka, do japonês Aoymi Sinji, e de As Coisas Simples da Vida, de Edward Yang, outra boa surpresa no Rio BR é Banhos, do chinês Zang Yang, um delicado filme sobre a relação entre pais e filhos, que integra a mostra Expectativa 2000, de novos diretores.Na mostra Via Digital, destacam-se o vencedor da Palma de Ouro, Dançando no Escuro, de Lars Von Trier, e Time Code, de Mike Figgs, uma comédia de humor negro sobre o estilo de vida de Los Angeles, todo rodado em câmera digital, num único take. A diretora inglesa Nichola Bruce vem ao Rio apresentar seu primeiro longa-metragem, Eu Poderia Ler o Céu, uma opção da autora pela nova tecnologia.Com o prêmio da BR Distribuidora, a Première Brasil ganha novas cores e traz à tona uma produção geralmente inacessível ao grande público: o documentário. "No ano passado ficamos surpresos com a presença de três documentários em sete filmes selecionados para a mostra", explica Ilda Santiago. Este ano, foram nove inscritos para a seleção e seis foram escolhidos, além de um hors-concours. O Rap do Pequeno Príncipe contra as Almas Sebosas, de Paulo Caldas e Marcelo Luna, é um dos grandes destaques da Première, um documentário tão badalado quanto os ficcionais Brava Gente Brasileira, de Lucia Murat, e Buffo & Spallanzanni, de Flávio Tambellini. Ilda diz que os diretores ficaram surpresos com a qualidade dos novos documentaristas brasileiros, que buscam não só a qualidade como a diversidade de temas. "É sempre bom ver o País ser revisto e repensado na tela". O escolhido para abrir a Première Brasil foi Tônica Dominante, dirigido e roteirizado por Lina Chamie, que narra a vida de um jovem musicista. Durante a mostra, a partir do dia 12 de outubro, na Casa de Rui Barbosa, em Botafogo, um ciclo especial vai discutir a produção de documentários no Brasil, com presença de diretores, atores e produtores, entre eles Lucélia Santos, Luiz Carlos Barreto e Cacá Diegues.O preço para todas as seções é de R$ 8,00 e estão à venda passaportes que dão direito a uma ou duas semanas do festival a preços entre R$110,00 e R$300,00. Podem ser comprados via Internet, com acréscimo de R$1,80. Haverá sessões especiais a R$1,00 para a Première Brasil e o público poderá votar nos seus filmes preferidos. O prêmio BR será escolhido pelo júri popular. Os quiosques de venda estão no site www.estacaovirtual.com.br.Para acompanhar a programação completa do Festival acesse o roteiro de cinema do Rio de Janeiro

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.