Índios do Brasil, animação e Hathaway na disputa de Veneza

Favoritos são filmes com choque entre índios e fazendeiros, desenho à mão e passado sangrento da Etiópia

MIKE COLLETT-WHITE E SILVIA ALOISI, REUTERS

08 de setembro de 2005 | 12h42

Uma animação japonesa desenhada à mão, a história de um choque entre índios e fazendeiros no Brasil e um filme sobre o passado sangrento da Etiópia estão entre os favoritos para conquistar o prêmio máximo do festival de Veneza, no sábado. A atriz de Hollywood Anne Hathaway também impressionou a crítica com um papel sombrio que difere de seus trabalhos anteriores: o de uma dependente de drogas em "Rachel Getting Married", que se destacou entre os 21 filmes da mostra competitiva do festival, vista como de modo geral como fraca este ano. O respeitado animador japonês Hayao Miyazaki encantou o público com sua versão própria de "A Pequena Sereia", "Ponyo on the Cliff by the Sea", que já é enorme sucesso de bilheteria no Japão. "Pela primeira vez, o público e os críticos concordam quanto ao fato de o filme de Miyazaki ser uma obra-prima da animação", escreveu a veterana crítica Natalia Aspesi no jornal italiano La Repubblica. Se Miyazaki levar o Leão de Ouro de melhor filme no fim de semana, será o quarto ano consecutivo em que o prêmio máximo do festival fica com um diretor asiático. O trabalho etíope "Teza" também é visto como candidato ao Leão de Ouro, e, se o recebesse, seria a primeira vez em que um filme africano venceria em Veneza, o festival de cinema mais antigo do mundo. A história contundente de Haile Gerima sobre um intelectual que foge da violência em sua Etiópia nativa e na Alemanha seria um vencedor de modo geral bem recebido. A imprensa italiana está torcendo por uma vitória de seu país pela primeira vez em dez anos com "Birdwatchers", sobre índios guarani-kaiowás no Brasil que não têm outra perspectiva de vida senão trabalhar para fazendeiros, em condições de escravidão, e posar para fotos com turistas. Para Lee Marshall, da revista Screen International, o filme "seria uma boa indicação para o Leão de Ouro por sua mensagem de esquerda, porque é bem filmado e porque inova na medida em que as comunidades tribais são as protagonistas, e não apenas um pano de fundo." Além de Anne Hathaway, outra atriz que causou boa impressão no festival foi a premiada com o Oscar Charlize Theron, vista em "The Burning Plain", uma história intensa de amor e traição, além de ser a estréia na direção do aclamado roteirista mexicano Guillermo Arriaga. Os irmãos Coen abriram o festival este ano com "Queime Depois de Ler", que não participou da competição mas garantiu a presença no tapete vermelho dos astros de Hollywood Brad Pitt e George Clooney.

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEVENEZACONFLITOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.