Indicações ao Oscar chocam Fernando Meirelles

"Você ficou louco?", perguntou o cineasta brasileiro Fernando Meirelles, ao receber a notícia de que havia sido indicado hoje para concorrer ao Oscar de melhor diretor por seu filme Cidade de Deus, conforme relato o repórter da Associated Press Tom Murphy.O filme mostra descancaradamente o realismo da guerra entre grupos que dominam o tráfico de drogas nos bairros pobres do Rio de Janeiro. "Um filme em português indicado ao Oscar de melhor roteiro adaptado para o cinema? O que está acontecendo aqui? - perguntou Meirelles em declaração divulgada para a imprensa. O diretor disse que havia sido "bombardeado" com as notícias sobre as indicações pelos assistentes de produção de seu novo filme. Meirelles está em Londres, onde prepara seu novo filme, O Jardineiro Fiel (The Constant Gardner), baseado em romance de John Le Carré e protagonizado por Ralph Fiennes. Meirelles está na fase de finalização do elenco do filme que seria filmado na África do Sul, mas agora decidiu rodar no Quênia, onde estará no dia 29 de fevereiro, data da entrega do prêmio. O diretor disse ao repórter do Estado Luiz Carlos Merten que talvez não pudesse abandonar as filmagens para assistir à cerimônia de entrega do prêmio, mas em seguida reconsiderou - "tenho de ir, não?"Meirelles acha que é o azarão na categoria de melhor diretor (ele concorre com Peter Jackson, de O Retorno do Rei; Peter Weir, de O Mestre dos Mares; Clint Eastwood, de Sobre Meninos e Lobos; e Sofia Coppola, de Encontros e Desencontros) e acha que Cidade de Deus terá mais chances nas demais categorias.Cidade de Deus foi indicado hoje nas categorias de melhor direção, montagem, roteiro adaptado e fotografia. Meirelles disse à AP que estava difícil de acreditar que um filme rodado nas ruas e favelas miseráveis do Brasil, e editado no próprio país, pudesse ser indicado em tantas categorias. O filme se passa em um bairro pobre do Rio conhecido como Cidade de Deus, segundo uma tradição carioca que diz que este é "o único bairro do Rio que Deus não visita nunca". Em sua declaração à imprensa, Meirelles disse que o filme "foi um trabalho de equipe" e que compartilhava a indicação com a co-diretora Kátia Lund.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.