Loic Venance/AFP
Loic Venance/AFP

Imprensa internacional reage mal à premiação de Cannes

Para muitos, é a própria sobrevivência do festival que está em jogo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2018 | 06h00

CANNES - Thierry Frémaux e Pierre Lescure estão tendo de administrar uma crise, e das grandes. Para muita gente, é a própria sobrevivência do Festival de Cannes que está em jogo. A imprensa francesa reagiu mal à premiação do júri presidido pela atriz Cate Blanchett – nenhum filme francês no Palmarès. OK, teve Jean-Luc Godard, mas ele não conta. O mais incrível – Godard vai estrear na TV, não nos cinemas. As mais duras críticas vêm dos EUA. The Hollywood Reporter, mais até que a rival Variety, decretou que o festival está decadente.

+++Cannes: 'Harvey Weinstein nunca mais será bem-vindo aqui', diz Asia Argento

Poucos astros e estrelas, excessiva proximidade do Oscar. Cannes é considerada uma plataforma de filmes de arte. Quem vai querer lançar seus filmes de Oscar em maio, quando os blockbuster do verão ocupam as salas e fazem todo o ruído? As majors estão achando que vale mais esperar por Toronto e Veneza, no segundo semestre. O clima é de quebra de braço. Quem vai ganhar? O festival é caro. Hospedagem, alimentação. The Hollywood Repórter reclama, mas, no mercado, a maior representação é dos EUA. São milhares de agentes, comprando e vendendo no maior mercado do mundo.

+++Palma de Ouro vai para diretor japonês; confira premiados

E a Palma de Ouro mantém seu prestígio. É um dos prêmios mais disputados do mundo. O japonês Hirokazu Kore-eda tem sido um habitué do festival. Colecionou prêmios. Mas foi preciso esperar Cate Blanchett para ter a sua Palma, por Shoplifters. Um grupo, sem vínculo de sangue, que se reúne para roubar lojas. “Valeu a pena ter esperado”, resumiu. Outros dois filmes premiados pelo júri abordam questões familiares – Capharnaüm, da libanesa Nadine Labaki, e Ayka, do cineasta do Casaquistão Sergey Dvortsevoy, que deu o prêmio de interpretação para Samal Yeslyamova. Marido de Nadine, o compositor Klaled Mouzanar também é produtor. Ao receber o prêmio do júri ecumênico, em nome da mulher, disse que o filme foi uma “changing life experience” para o casal.

+++Análise: maior filme da 71.ª edição de Cannes saiu de mãos vazias

E Nadine, agradecendo o prêmio especial do júri – “É um prêmio enorme para um filme pequeno, que fiz em casa, com a minha família. Mas só vou ficar feliz se o filme ajudar a mudar as condições de vida da infância abandonada. Não podemos continuar ignorando o problema.” Dvortsevoy talvez tenha feito o filme mais aterrorizante do festival. Uma mulher que acaba de dar à luz abandona o filho no hospital e corre em busca de emprego numa Moscou gelada. Tem de saldar uma dúvida. Ela sangra, o leite empedra nos seios. O diretor aborda a condição biológica da mulher para chegar à denúncia do mundo regido pelos homens. “Foi dificílimo de fazer, mas quando pensava que mulheres passam por isso de verdade. Que mundo é esse?”, perguntou-se a atriz.

Que mundo, sim. Spike Lee quer lançar BlacKkKlansman em agosto nos EUA, quando se comemora um ano dos confrontos entre supremacistas e negros em Charlottesville. Seu filme é sobre isso. Não ganhou a Palma, mas o Grand Prix. “Vai ser um ano para se viver perigosamente na América”, anuncia Spike. No palco para entregar prêmio, Asia Argento lembrou que tinha 21 anos quando foi estuprada por Harvey Weinstein em Cannes. “Para canalhas como ele, isso aqui sempre foi uma temporada de caça”, afirmou. 

O festival abriu uma linha para mulheres denunciarem abusos. Asia botou a boca no mundo. No ano de Cate, as mulheres reinaram, mas a Palma foi masculina. Teria sido mais merecida se tivesse vencido o turco Nuri Bilge Ceylan, cineasta do tempo, por A Pereira dos Frutos Selvagens.

Mais conteúdo sobre:
Festival de Cannes [cinema] cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.