Igreja grega condena filme sobre Jesus do diretor de <i>Titanic</i>

A Igreja Ortodoxa grega acusou na quinta-feira o cineasta James Cameron, diretor do filme Titanic, de "ignorância" e de tentar "prejudicar a fé cristã", por afirmar que descobriu o túmulo de Jesus Cristo. Em fevereiro, Cameron e uma equipe de estudiosos exibiram dois ossuários (caixas de ossos) de pedra que o cineasta afirmou que podem ter contido os ossos de Jesus e de Maria Madalena. A descoberta é tema de um documentário do canadense Simcha Jacobovici que Cameron produziu, intitulado The Lost Tomb of Jesus (O Túmulo Perdido de Jesus, em tradução livre), e de um livro, The Jesus Family Tomb (O Túmulo da Família de Jesus, em tradução livre). "Expressamos nosso pesar pela ignorância histórica, a falta de base científica e de evidências desse caso, cujo objetivo é prejudicar aquilo que constitui nossa fé", disse em comunicado o Sínodo Sagrado da Igreja grega. A descoberta do túmulo de Jesus contestaria a crença cristã na idéia de que Jesus ressuscitou e ascendeu ao céu. O Sínodo Sagrado disse que não é por acaso que o anúncio da suposta descoberta foi feito pouco antes da Páscoa, comemorada este ano por todos os cristãos em 8 de abril. "A irreverência e a busca do lucro não vão conseguir prejudicar o avanço espiritual de nossos fiéis em direção à Páscoa e à ressurreição do Senhor, por mais histórias possam inventar", disse a igreja. Os estudiosos receberam o caso com ceticismo, sendo que alguns especularam que tudo pode não passar de golpe publicitário. Os ossuários encontrados em 1980 numa caverna de 2 mil anos atrás podem ter pertencido a uma família cujos nomes eram semelhantes aos de Jesus e seus familiares, afirmam. As Igrejas Ortodoxa e ocidental se dividiram no cisma de 1054. De acordo com o recenseamento mais recente, 98 por cento dos gregos são cristãos ortodoxos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.