Identificados suspeitos do assassinato da diretora de Bangu 1

Depois de dois anos do assassinato dadiretora do presídio de segurança máxima Bangu 1, Sidneya Santosde Jesus, a polícia pode ter identificado os responsáveis pelocrime. Uma conversa gravada dentro da penitenciária indica queos mandantes do crimes seriam três traficantes e dois advogados,que teriam recebido R$ 90 mil para encomendar o crime. Os nomesdos advogados são mantidos sob sigilo, mas os traficantes sãoMárcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, do Complexo doAlemão; Leonardo Marques da Silva, o Sapinho do Morro daProvidência, e Charles da Silva Batista, o Charles do Lixão. Os três bandidos pertencem ao bando de Elias Pereira daSilva, o Elias Maluco, assassino do jornalista Tim Lopes. Ospistoleiros seriam Josimar de Melo, preso pela Polícia Federal,no mês passado, na Paraíba, e um homem identificado como Breno. Sidneya era considerada muito rígida por presos de Bangu1. A diretora chegou a ameaçar revistar advogados de presos dapenitenciária e determinou a revista de celas para encontraraparelhos celulares e drogas. A diretora do presídio foi morta,a tiros, na porta do edifício onde morava, na Ilha do Governador zona norte. A conversa entre os traficantes e os advogados foigravada na sala de visitas do presídio, conhecida comoparlatório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.