<i>A Dupla Vida de Véronique</i>, na TV paga e em DVD

Som e imagem são de primeira e a vantagem do DVD de A Dupla Vida de Véronique, lançado pela Versátil, em relação ao filme que passa nesta sexta-feira às 18 horas, no Telecine Cult, não é a obra em si, mas seu entorno. O DVD traz extras para ninguém botar defeito.Irène Jacob que faz o duplo papel de Veronika/Véronique esteve no Festival do Rio. Ela explicou o método de Kieslowski. O diretor queria filmar a vida interior, mas sabia que só conseguiria isso partindo do exterior. O cinema, afinal, começa e de dilata no corpo (olhares, movimentos e gestos) dos atores. Irène diz que Kieslowski dava instruções detalhadas, tanto para o ator quanto para o fotógrafo. Exigia precisão, mas esperava que o ator encontrasse, nela, a emoção.Walter Hugo Khouri era louco por A Dupla Vida de Véronique e por Irène. Achava Kieslowski metafísico e dizia que Irène era a atriz que gostaria de dirigir. O filme acompanha duas mulheres iguais, em duas cidades diferentes, na França e na Polônia. Kieslowski era atraído pelo acaso, queria filmar o indizível. Como explicar o que não se define, as vidas paralelas e os problemas semelhantes de duas mulheres que não se conhecem? O próprio autor definiu Véronique como um filme sobre a sensibilidade dos pressentimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.